Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Categories
Coluna do Astrônomo Conteúdo científico Curiosidades Notícias

Tau-Herculídes de 2022, Chuva ou Tempestade?

As chuvas de meteoros são um fenômeno celeste que causa grande interesse e uma de suas características mais marcantes é a imprevisibilidade quanto à taxa de meteoros que será observada. Em especial a Tau-Herculídeas que terá pico na madrugada de 30 para 31 de maio está causando alvoroço

Dada sua imprevisibilidade característica, a regra de ouro para as chuvas de meteoros é: vai ser boa? Não sabemos, mas, se possível, assista.

Chuvas de Meteoros acontecem quando a Terra cruza o rastro de poeira deixado por um cometa ou asteroide. A grande maioria das chuvas está associada a algum cometa mas há algumas associadas a um asteroide. Na medida em que o objeto segue sua órbita ele deixa poeira por onde passa e, a Terra, ao cruzar essa órbita, recebe em sua atmosfera parte da poeira deixada para trás. Estamos falando de fragmentos bem pequeninos, portanto, nenhuma chuva de meteoros representa qualquer risco.

Para cada chuva há uma taxa de meteoros esperada, e essa taxa é calculada por uma série histórica. Ou seja, em cada chuva observa-se a quantidade de meteoros por hora e anota-se. Esse número anotado ano após ano indica uma tendência que nos faz esperar chuvas mais intensas ou menos intensas.

Compreendendo o mecanismo de formação das chuvas de meteoros, podemos verificar uma informação importante: chuvas de meteoros acontecem todo ano, e são várias, de modo que não estamos falando de um fenômeno exatamente raro.

Agora, vejamos o nome das chuvas. Elas são batizadas utilizando-se o nome da constelação onde está o radiante (ponto no céu de onde parecem estar saindo os meteoros) e a letra grega que indica a estrela mais próxima naquela constelação. Portanto, o radiante da chuva Tau-Herculídeas está(ria) posicionado próximo à estrela Tau da constelação de Hércules. Entretanto, especialmente esta chuva, que foi originalmente prevista para ser observada em Hércules, acontece na constelação do Boieiro.

No Rio de Janeiro, a constelação do Boieiro pode ser vista desde o início da noite de 30 de maio para quem tem o horizonte nordeste livre. Estará em sua melhor condição de observação por volta das 22h. É uma constelação do hemisfério Norte, portanto, estará baixa no horizonte carioca. A região norte do Brasil é a melhor para assistir à Tau-Herculídeas. O radiante da chuva está posicionado próximo à estrela Arcturus, a mais brilhante da constelação do Boieiro.

Constelação de Boieiro bem ao norte no céu do Rio de Janeiro. Carta Celeste do Rio de Janeiro às 22h00 de 31 de maio de 2022.

Boieiro em melhor condição de observação no Norte do Brasil. Carta Celeste de Manaus ás 23h30 de 30 de maio de 2022.

E por que estão chamando essa chuva de tempestade? Acontece que o cometa 73/P Schwassman-Wachmann 3, ou SW 3, passou por um processo de fragmentação em 1995. E os fragmentos dessa fragmentação também se fragmentaram posteriormente e o cometa “pai” deixou em seu caminho até agora 69 fragmentos conhecidos. Fragmentação de cometas também não é algo raro de acontecer, principalmente com os de curto período, como o é o caso de SW3.

Assim, se os detritos resultantes da fragmentação de 1995 tiverem sido ejetados com uma velocidade acima do normal, cerca de duas vezes e meia, é possível sim que tenhamos sim, uma chuva mais intensa porque teríamos uma quantidade maior de fragmentos atingindo a Terra. Apenas essa a razão. 

Imagem obtida pelo Telescópio Espacial Hubble em 2006, mostrando fragmentos do SW3 se fragmentando em pedaços ainda menores. NASA / ESA / H. Weaver (JHU / AP) / M. Jäger / G. Rhemann.

Mas, como em todas as chuvas de meteoros, a palavra de ordem é imprevisibilidade. Não temos nenhuma razão para supor que os detritos da fragmentação do SW3 em 1995 estejam viajando acima da velocidade normal. Mas, quem sabe?

De qualquer forma, tome um cuidado importante. As “chuvas” de meteoros não são exatamente chuvas… são uma oportunidade de observar mais meteoros que em outras noites, mas, em geral, observa-se alguns meteoros por hora. Diferente de uma chuva propriamente dita em que temos milhares de pingos de água por hora.

Outro detalhe importante é que serão observados aqueles meteoros que puderem ser vistos com a luminosidade do seu céu. Em um centro urbano, tipicamente muito iluminado, só serão observados os mais brilhantes, enquanto numa região afastada da iluminação serão observados os mais brilhantes e os menos brilhantes. Portanto, seu local de observação também vai influenciar em quantos meteoros você observará.

Então, mesmo não tendo certeza se teremos uma chuva ou uma tempestade, eu não apostaria na tempestade. Aposto numa chuva, bonita, como todas as outras.

Para observar a Tau-Herculídeas:

Melhor localização: Onde se tenha o horizonte norte e nordeste livres de prédios, montanhas ou árvores, e afastado da iluminação urbana. As cidades mais ao norte do país têm melhores condições de observação para essa chuva de meteoros.

Para onde olhar no céu: Utilize as cartas celestes acima colocando-as sobre sua cabeça, coincidindo os pontos cardeais da Carta com os pontos cardeais do seu local de observação e procure a estrela mais brilhante da constelação do Boieiro. O radiante de Tau-Heruclídeas estará ali perto.

Equipamento para observação: Toalha para deitar no chão, cadeira, esteira e travesseiro (esqueça telescópio ou binóculo).

Categories
Coluna do Astrônomo

A missão Cassini a Saturno

A Missão Cassini explorou o planeta Saturno, seus anéis, e suas luas de 2004 até 2017. A nave Cassini levou a sonda Huygens, construída pela Agência Espacial Europeia, para descer na lua Titã.

A palestra vai mostrar os resultados principais da missão, como o vulcanismo de gelo em Enceladus, a geologia de Titã, os anéis de Saturno, e as enormes tempestades na atmosfera do planeta.

A Dra. Rosaly Lopes é brasileira, natural do Rio de Janeiro. Ela saiu do Brasil aos 18 anos para estudar Astronomia em Londres e desde 1991 trabalha para a NASA – a Agência Espacial Norte-Americana –, e hoje analisa dados da Missão Cassini, que explorou o planeta Saturno e suas luas.

Dra. Rosaly é especialista em geologia e vulcanologia dos planetas e das luas, e entrou para o Guinness Book of World Records por ter descoberto mais vulcões ativos (71 em Io) do que qualquer outra pessoa.

Recentemente tornou-se Editora Chefe da revista científica Icarus, aonde são publicados trabalhos sobre ciências planetárias. Já ganhou muitos prêmios, incluindo a medalha Carl Sagan da American Astronomical Society e o prêmio Ambassador da American Geophysical Union. É autora de mais de 120 trabalhos científicos e oito livros.

Categories
Coluna do Astrônomo

Peça teatral

Anjo Azul – Acerca de Tudo

“Anjo Azul – Acerca de Tudo” conta a saga dos autistas e seus familiares na sua relação com o mundo e a sociedade, que fecham as portas, segregam, discriminam, dificultam ou não permitem o acesso aos espaços coletivos, com o devido respeito às suas peculiaridades.

Partindo do olhar do autista, o autor tenta, de forma sucinta, representar em linguagem teatral e lúdica, os entraves causados pelo o desconhecimento da maioria das pessoas, o que dificulta ou impedem o acesso ou a convivência do TEA em ambientes urbanos coletivos, visto que, em geral a pessoa com o Autismo não apresenta características físicas que tornem visíveis no primeiro olhar as suas diferenças.

“Anjo Azul – Acerca de Tudo” coloca em pauta de discussão, o comportamento, a forma de pensar, ver e estar no mundo, pelos os olhos da pessoa com o Transtorno do Espectro Autista, na voz e nos gestos dos personagens. A peça mostra as dificuldades encontradas por eles na comunicação social, interação social e padrões de comportamento e, o melhor, como podem ser rompidas as barreira da sociedade a partir do conhecimento, da convivência, e o respeito às diferenças.

No dia 19 de maio de 2019, no Planetário da Gávea, no Rio de Janeiro – RJ, às 14h30min, os Autistas pedem passagem e ocupam a instituição para falar de si mesmos, num espetáculo teatral de autoria de Joel Vieira, pai Azul que decide contar com arte teatral um pouco da vida de autista num mundo dos ditos neurotípicos. A Direção é de Joel Vieira e conta com um elenco de oito atores, dentre eles Monica Ferreira, atriz, coautora e mãe Azul, que dá vida a uma personagem que, por várias vezes, ela e sua filha Autista encontram pelo mundo afora as portas fechadas para os anjos Azuis.

Elenco: Bia Ferreira, Fausye Gama, Gil Miranda, Logan Moura, Monica Ferreira, Thaila Freitas e Vitor Brandão
Participação especial: Laura Helena de Souza e Vanessa Ferreira
Música: Gil Miranda
Produção: Cia Artismo

ENTRADA FRANCA – Distribuição de senhas às 14h, na bilheteria do Planetário