Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Categories
Coluna do Astrônomo

Alpha-Scorpiideas e Lua Crescente

Essa semana teremos duas coisas bastante interessantes no céu: o pico de atividade de uma chuva de meteoros e a Lua no quarto-crescente. Sim, são duas coisas bastante interessantes, mas são ainda mais interessantes quando não estão juntas no mesmo céu.

As chuvas de meteoros são muito comuns, e o que mais se destaca em Alpha Scorpiideas é sua fácil localização no céu logo no início da noite. Chuvas de meteoros acontecem quando a Terra cruza o rastro de poeira deixado por um cometa ou um asteroide. A grande maioria das chuvas é associada a algum cometa, mas há aquelas associadas a asteroides também.

O quarto crescente é a melhor fase para se observar a Lua ao telescópio, por ela estar alta no céu logo no início da noite e também pelo efeito causado pelas sombras das montanhas e crateras, que nos permite uma melhor percepção da superfície lunar. Essa percepção é bastante prejudicada na Lua Cheia, quando a luminosidade do Sol incide perpendicularmente sobre a superfície lunar e não temos sombras. Certamente a Lua estará em nossa próxima observação do céu aqui do Planetário.

A carta celeste abaixo é para o céu do Rio de Janeiro dessa próxima semana, no início da noite.

As chuvas de meteoros são caracterizadas pela posição de seu radiante, um ponto no céu de onde parecem sair os meteoros. A constelação onde está o radiante dá nome à chuva, de modo que Alpha Scorpiideas acontece na constelação do Escorpião. Procure essa constelação um pouco acima de onde você viu o Sol nascendo.

Note na carta celeste, que a Lua, já brilhante, saindo do quarto crescente e indo para a fase cheia, estará muito próximo, o que prejudicará a observação de Alpha Scorpiideas. O pico dessa chuva ocorre hoje, dia 13 de maio, mas será possível observar meteoros dela até por volta do dia 20 de maio. A taxa de meteoros esperada é de 5 por hora, num céu ideal, longe da poluição luminosa e sem Lua.

Apesar das condições não serem as ideais, temos a vantagem, do Escorpião estar no céu no início da noite, e de ser uma constelação especialmente fácil de se identificar. Portanto, fica a sugestão de tentar observar ao menos alguns meteoros nas próximas noites!

Ah, e não se esqueça de fazer um pedido para cada um que conseguir ver.

Bons céus!

Categories
Coluna do Astrônomo

A chuva de meteoros de novembro

Muitos de nós já presenciamos um rápido risco brilhante no céu noturno. Pedidos foram feitos, alguns atendidos, outros não. Nós o conhecemos popularmente como “estrela cadente” ou, de forma correta, como meteoro.

Os meteoros são pequenos visitantes do espaço, resquícios da formação do Sistema Solar, que normalmente têm uma breve duração ao entrar em nossa atmosfera. A cada dia, cerca de 100 toneladas de rocha espacial atravessam a atmosfera de nosso planeta, e a maior parte é destruída neste processo. Em algumas ocasiões o fenômeno fica mais intenso durante alguns dias; são as chuvas de meteoros.

Todos os anos, a cada mês de novembro, a natureza nos presenteia com a bela chuva de meteoros, a Leonídeas. Os belos rastros luminosos parecerão vir da constelação do Leão, daí o nome desta chuva. Esta chuva ocorre quando a Terra atravessa a órbita do cometa Tempel-Tuttle, que como todos os cometas, deixa um rastro de detritos (gelo e pequenos pedaços de rocha) por onde passa. Quando todo esse material entra na atmosfera da Terra, ele se vaporiza pelo atrito, formando a chuva de meteoros. 

O auge da próxima chuva de meteoros deverá acontecer na madrugada de 17 para 18 de novembro, e, por sorte, sua visibilidade não será prejudicada pela Lua, que estará na fase crescente e, portanto, visível apenas no começo da noite. Apesar de menos intenso, o fenômeno pode ser observado um dia antes e depois do auge. Um detalhe importante: esta chuva será visível nos dois hemisférios de nosso planeta.

 

Quando observar?

Procure pelos meteoros entre a meia-noite e às 5 horas da manhã, este será o melhor momento para observá-los. Esta chuva é relativamente modesta, com cerca de 10 meteoros por hora. Por uma feliz coincidência, o planeta Júpiter estará por perto, na mesma constelação.

 

Como observar?

-Se for possível, vá para algum lugar aberto, afastado do centro da cidade. É bom evitar a luz artificial da cidade, que atrapalha bastante;

-Nenhum equipamento especial será necessário, apenas seus olhos;

-Use uma cadeira confortável. Ver meteoros costuma exigir paciência, e você precisa estar confortável;

-Identifique a constelação do Leão. Mas atenção, algumas pessoas erroneamente pensam que basta olhar para a constelação para ver a chuva. Com frequência os meteoros tornam-se visíveis em posições bem afastadas da constelação de origem. Eles aparecerão em todas as partes do céu;

-Aproveite e observe Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar. Ele estará na constelação do Leão, compondo o belo cenário da noite. O planeta nascerá às 2h34min.

 

Aspecto do céu às 3h40min do dia 18/11/2015

Aspecto do céu às 3h40min do dia 18/11/2015

 

O fenômeno luminoso associado ao meteoro é o fim da linha para estas pequenas pedras vindas do espaço. Mas é uma boa oportunidade para os cientistas que estudam a natureza dos cometas. O fenômeno nos recorda, também, que vivemos numa enorme “nave” que está viajando através do Sistema Solar e que, portanto, interage com o ambiente ao redor. Como moradores desta nave, temos a oportunidade de vivenciar esta experiência. 

Divirta-se!

 

 

Categories
Coluna do Astrônomo

Chuva de Meteoros Perseídeas – Agosto de 2014

 

Depois da Superlua do último dia 10 de agosto de 2014 (aproveito para avisar que em setembro haverá outra!), o céu nos oferece agora a chuva de meteoros Perseídeas, cujo máximo de atividade deve ocorrer entre 12 e 13 de agosto. Essa chuva é melhor observada do hemisfério norte, mas pode ser observada de alguns lugares abaixo do equador, bem próxima ao horizonte.

Esse ano, o Google resolveu homenagear as Perseídeas fazendo uma menção a ela em seu logo com uma bonita animação.

As Perseídeas acontecem quando a Terra cruza o rastro do cometa Swift-Tuttle, e as partículas de poeira deixadas no espaço por ele entram em nossa atmosfera. Como o nome da chuva diz, seu radiante está na constelação de Perseu, que pode ser vista baixa no céu em algumas cidades do Brasil e muito melhor observada em cidades no hemisfério Norte.

A quantidade média de meteoros das Perseídeas é de 80 por hora. Lembre-se que é apenas uma média e não garante que essa taxa aconteça cada ano. Não é fácil prever com boa exatidão se haverá muitas ou poucas partículas nem seus tamanhos e velocidades. Todos esses fatores contribuem para a chuva de meteoros ser bela, média, ou um fiasco. Ok, nunca é um fiasco observar o céu!

Aliás, para garantir que não haverá fiasco, há a Lua cheia no céu. Bom, talvez a Lua cheia garanta que a chuva será um fiasco… afinal, Lua cheia é bonita mas atrapalha qualquer outra observação do céu, e seu brilho ajudará a ofuscar os meteoros mais fracos das Perseídeas.

Não espere muito das Perseídeas esse ano, mas, caso você se anime mesmo assim, abaixo estão duas Cartas Celestes do dia 12 de agosto de 2014, uma para Brasília e outra para Paris, ambas às 2 horas da madrugada (no horário local de cada cidade, 5h UTC e 00hUTC).