Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Rio em Marte?

 

Por Luís Guilherme Haun – Astrônomo da Fundação Planetário

Temos escrito muito sobre Marte neste blog. E isso vai continuar por muito tempo ainda. E o motivo para isso é a curiosidade, quero dizer, o Curiosity.

O Curiosity é um robô que está vasculhando o solo marciano com equipamentos muito precisos, na busca de sinais de vida no planeta vermelho. Com frequência o robô “curioso” tem trazido novidades bem interessantes de lá. A última foi a descoberta, na Cratera Gale, de um leito de rio. As semelhanças com um leito de rio aqui da Terra são enormes.

Que existia água na superfície de Marte, há milhões ou bilhões de anos, ninguém duvidava. Mas agora são muitos os indícios. As pedras encontradas têm a dimensão e a aparência semelhantes às pedras terrestres, indicando a mesma formação quando transportadas pela água.

O que nos resta agora? Encontrar água no subsolo? E junto com ela a vida? Com curiosidade (ou seria melhor dizer com o Curiosity) vamos longe.