Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Perfuração em Marte

 

Por Jorge Marcelino – Astrônomo da Fundação Planetário do Rio de Janeiro

 

Com a intenção de tentar comprovar a antiga presença de água em Marte, o veículo de exploração automático Curiosity fez uma pequena perfuração de 6cm de diâmetro em uma rocha da superfície do planeta. Após a perfuração, um braço mecânico recolheu uma amostra da poeira resultante, que será peneirada e divida, para ser processada pelo Instrumento de Análise Química e Minerológica (CheMin) e pelo Instrumento de Análise de Amostra em Marte (SAM). Esta foi a primeira vez que um veículo de exploração automático conseguiu fazer uma perfuração e obter amostras do interior de uma rocha.

O Curiosity faz parte da missão da NASA (Agência Espacial Norte-Americana) denominada Laboratório Científico Marciano (MSL). A missão tem por objetivo principal obter informações sobre o passado e o presente da atmosfera do planeta Marte e as suas transformações.   Apesar de não possuir instrumentos que possam comprovar a existência de vida no planeta, os experimentos foram projetados para procurar a evidência de água no estado líquido, uma das três condições consideradas cruciais para a existência de regiões potencialmente habitáveis.