Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Monitorando os Céus

Por Paulo Cesar Pereira – Astrônomo da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro

 

Ontem o Canadá lançou um satélite que pretende estudar asteroides e cometas que cruzam a órbita da Terra. Lançado num foguete na Índia, o satélite chamado NEOSSat (Satélite de Vigilância de Objetos Próximos) tem um tamanho de uma mala grande, com um pequeno telescópio acoplado. Numa altitude de aproximadamente 800km (o dobro da altitude da estação espacial internacional), e com 65kg, terá como objetivo monitorar asteroides, cometas e até mesmo o lixo espacial (restos de missões tripuladas, que podem causar colisões com satélites e missões espaciais).

Sua posição privilegiada permitirá o monitoramento 24h por dia, algo que telescópios no solo não podem fazer, devido à alternância da noite para o dia. Além disso, asteroides de pouco brilho poderão ser mais facilmente detectados nessa altitude. Um dos resultados mais esperados é o monitoramento de possíveis alvos de exploração tripulada ou não. Isso mesmo: a ideia é encontrar asteroides que possam receber alguma missão para estudá-lo. Muitos asteroides passam rápido demais, outros, no entanto, passam com velocidade similar à da Terra, e relativamente próximos de nosso planeta, tornando factível o pouso de uma sonda em sua superfície.

Pode parecer coisa de cinema, mas isso já acontece. Em 2001 a sonda americana Near Shoemaker pousou no asteroide Eros, e em 2005, a sonda japonesa Hayabusa retornou para a Terra após pousar rapidamente no asteroide Itokawa.

A possiblidade de estudar asteroides em detalhes é fascinante, uma vez que esses objetos carregam informações sobre a origem e composição química do Sistema Solar na época da sua formação.