Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Uma vez numa lua azul

 

A frase em inglês “Once in a blue moon” traduzida literalmente seria: “Uma vez numa lua azul”. Esta expressão significa algo que ocorre raramente ou quase nunca. Às vezes alguns contos começam assim, talvez para reforçar o aspecto extraordinário da narrativa. Hoje, 31 de agosto de 2012, acontecerá este fenômeno que se repetirá em julho de 2015.

Originalmente o termo “lua azul” não tinha nada a ver com o aspecto visual da Lua. Designava inicialmente a terceira lua cheia que acontecia num quarto de ano em que houvesse quatro luas cheias. Complicado não é? Talvez por conta desta complicação outra definição se firmou. A partir do século passado, devido a um engano, a lua azul passou a ser a segunda lua cheia que acontecesse num mesmo mês. Estas definições, um tanto arbitrárias, não carregam a magia que geralmente acompanha a imagem mental de uma lua azul.

O que influencia na coloração aparente da Lua (independentemente da fase: cheia ou não) são as condições atmosféricas locais e sua posição no céu. Luas vermelhas ou alaranjadas são bem comuns próximas ao horizonte e, se o ar estiver cheio de partículas (poeira, fumaça, etc.), o efeito fica mais forte. Para que a Lua fique azul é mais raro. Há registro de momentos e lugares onde a Lua se mostrou azulada devido a erupções de alguns vulcões como Krakatoa (1883), Santa Helena (1980), El Chichon (1983) e Pinatubo (1991). Em alguns casos de grandes incêndios florestais também se viu tal coloração.

Mas se você é uma pessoa romântica pode aproveitar esta lua azul como desculpa para levar a pessoa amada a admirar a lua cheia que é sempre bonita. Pode arrematar a contemplação lunar com uma trilha sonora apropriada: “Blue Moon” (Richard Rodgers e Lorenz Hart, 1934) nas vozes de cantores famosos como Frank Sinatra, Ella Fitzgerald ou Elvis Presley:

 

“Blue moon, you saw me standin’ alone
Without a dream in my heart, without a love of my own
Blue moon, you knew just what I was there for
You heard me sayin’ a prayer for
Someone I really could care for “

 

Desejo céu claro e uma contemplação lunar agradável!

 

Saiba mais sobre a origem do nome Lua Azul no artigo do astrônomo Alexandre Cherman