Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Um cometa intrigante

 

A notícia de que um cometa apresenta seis caudas está intrigando os astrônomos. É comum um cometa ter uma, duas ou até três caudas quando se aproxima do Sol. As caudas são formadas pelo vento solar e a pressão de radiação que espalham a poeira e os gases presentes no cometa. Elas podem, também, apresentar colorações diversas, tais como amarelada e azulada.

 

O cometa P/2013 P5, observado pelo Telescópio Espacial Hubble, foi o primeiro objeto do tipo a apresentar seis caudas. A sigla usada para determinar este cometa significa: 1) que ele é periódico (P) – com menos de 200 anos para retornar a aparecer; 2) foi descoberto no ano de 2013; 3) a letra acompanhada de um número (P5) é a ordem em que foi descoberto neste ano, entre os dias 1º e 15 de agosto.

 

O que está chamando a atenção neste cometa são as bruscas mudanças na configuração das caudas em períodos de duas semanas, nos últimos meses. Parece que ele está se desintegrando a partir do seu rápido movimento de rotação. As caudas mudam de direção e intensidade muito rapidamente.

 

Vamos aguardar novas observações para saber mais sobre o P/2013 P5. Pode ser, inclusive, que novos corpos celestes semelhantes a ele sejam descobertos. Na Astronomia é assim: quando descobrimos algo diferente, pode esperar que isso se repetirá por mais vezes.