Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O Planetário mais antigo… em funcionamento!

 

O Planetário do Rio de Janeiro completará, neste ano de 2013, 43 anos de funcionamento. Hoje somos um dos poucos planetários do mundo com duas cúpulas, situado na Gávea, bairro da Cidade do Rio de Janeiro: uma com 12,5 metros de diâmetro e outra com 23 metros. São equipamentos distintos. Na cúpula menor (Galileu Galilei) temos um conjunto de projetores digitais que projeta imagens em full dome. Na cúpula maior (Carl Sagan) contamos com um projetor que utiliza a tecnologia de fibra ótica. Ainda possuímos, em Santa Cruz, outra cúpula (D. Pedro II), com 12 metros de diâmetro, outro equipamento de projeção das estrelas, através de projetores de vídeo, similar ao da cúpula Galileu Galilei.

 

Mas a história dos planetários começa bem antes da inauguração do Planetário da Gávea em 1970. A ideia da construção de um planetário surgiu há muito tempo, com o intuito de reproduzir os movimentos dos planetas ao redor do Sol. Com o passar dos tempos eles foram ficando mais sofisticados, até que, no início dos anos 1900, globos gigantes foram construídos com estrelas representadas e o Sol em movimento.

 

Um planetário mais moderno, simulando os movimentos dos astros através de lâmpadas, surgiu por volta de 1912. A firma do alemão Carl Zeiss investiu nesta ideia e em 1925 inaugurou o primeiro planetário com esta tecnologia, no Deutsche Museum, em Munique. A 2ª Guerra Mundial destruiu o museu e o Planetário foi fechado. O projetor foi salvo e só voltou a ser instalado em 1951.

 

Mas, em 18 de julho de 1926, foi inaugurado o planetário de Jena (cidade alemã) que continua em funcionamento até hoje. É claro que o projetor foi trocado por outros mais modernos ao longo dos anos. Hoje ele está na quinta geração, com a mesma tecnologia utilizada em nossa cúpula Carl Sagan acrescida da tecnologia full dome.

 

 

Novos planetários surgirão pelo mundo, cada vez mais realistas, levando ao público as maravilhas do universo e informando as principais descobertas feitas pelos astrônomos. A tecnologia já possuímos e os profissionais estão a postos. Só precisamos de vocês para participarem dessas conquistas emocionantes e educativas que um planetário pode proporcionar. Aguardamos a sua visita!