Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O frenesi do Fim do Mundo continua

 

 

 

Segundo uma matéria publicada no dia 2/5/2012 no Estadão, um estudo revelou que quase 15% da população mundial acredita que o fim do mundo ocorrerá durante sua vida, e 10% dos entrevistados acham que o calendário maia pode indicar que vai acontecer em 2012.

 

Já falamos algumas vezes aqui no blog do Planetário sobre o calendário maia e o fim do mundo (veja as curiosidades do mês de janeiro e fevereiro), mas, pelo visto, a celeuma vai durar até o dia 21 de dezembro, data do suposto fim do mundo. Vamos aproveitar então para aprofundar um pouco mais o conhecimento sobre os calendários maias.

 

Os maias não foram os únicos a criar longos ciclos de tempo que transcendem o ciclo anual das estações. Nós mesmos computamos décadas, séculos e milênios, e pudemos acompanhar o mais recente rebuliço causado pela virada do milênio, quando também vimos a polêmica do fim do mundo reacender. Temos também as eras, ciclos ainda mais longos. O nascimento de Cristo, por exemplo, deu origem à Era Cristã, no nosso calendário, que perdura até hoje e cujo fim chegará com a segunda vinda de Cristo ao mundo, segundo a crença cristã.

 

A Pedra do Sol Mexica tem uma enorme importância simbólica, representando um cosmograma, ou seja, descreve o Universo e sua ordem cósmica. Os mexicas ou astecas tinham seus próprios nomes e símbolos para os dias, mas as unidades e a mecânica do calendário são essencialmente as mesmas do calendário maia.

 

 

No centro do disco se encontra uma figura que tem sido identificada como o Sol atual, o quinto numa linha de sucessão de “Sóis”. Cada um destes “Sóis” teria governado uma era que sucumbiu a um cataclisma – furacões, chuvas de fogo, inundações –, sendo substituída por uma nova era. Estas quatro eras, pelas quais o povo mexica teria passado, estão representadas nos quatro retângulos que circundam a figura central. A era atual terminaria em 2012, segundo a mitologia Mexica.

 

Seriam estas narrativas descrições de eventos reais ou metáforas? Seriam presságios do real fim do mundo? Especialistas familiarizados com a filosofia maia acham que estas profecias não devem ser interpretadas literalmente.

 

E o assunto continua…