Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Superlua

É um pássaro? É um avião? É o Super-Homem? Não! É a Superlua! Mas o que é a Superlua, afinal de contas?

A Lua, nosso satélite natural, não tem luz própria. Ela brilha porque reflete a luz do Sol. E como ela está sempre girando ao redor da Terra, nós a vemos de diferentes formas, que chamamos de fases. Não custa lembrar que a mudança é apenas aparente…

Talvez a fase da lua mais famosa seja a “cheia”. Quem não se impressiona com uma bela e brilhante Lua Cheia? É a Lua dos poetas, dos namorados e, segundo a lenda, dos lobisomens! (Ironicamente, a Lua Cheia não é boa para os astrônomos, pois sua claridade atrapalha a observação das estrelas.)

Outra informação importante para entendermos a Superlua é sobre a forma da órbita lunar. Como a órbita da Terra ao redor do Sol, a órbita da Lua ao redor da Terra é uma elipse. Uma elipse muito pouco achatada, quase um círculo, mas ainda assim uma elipse.

Ao longo de um mês, a Lua se aproxima e se afasta da Terra. Não se assustem! A diferença é muito pequena, cerca de 5%; isso quer dizer que, ao longo do mês, o diâmetro angular da Lua (o tamanho aparente, que vemos) muda em cerca de 5%. Quando a Lua está em sua máxima aproximação (isso acontece uma vez a cada órbita, ou aproximadamente uma vez por mês), ela nos parecerá um pouco maior (5%).

Este ponto de máxima aproximação é chamado de Perigeu.

A Lua Cheia já chama a nossa atenção. Quando ela acontece no Perigeu, ela nos aparecerá cerca de 5% maior do que o normal. Eis, então a Superlua!

(Para os amigos da precisão, o Perigeu Lunar acontece a 0h33min do dia 6 de maio; o instante exato da Lua Cheia é 0h35min do mesmo dia!).

Leia mais sobre o assunto nos artigos abaixo: