Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Novas Imagens da Pata do gato e da Lagosta

Em uma das maiores imagens feitas por eles até hoje, com 49.511 por 39.136 pixels, o ESO (do inglês, European Southern Observatory), produziu o mais belo registro das nebulosas da Pata do Gato (NGC 6334) e da Lagosta (NGC 6357). Ambas são compostas predominantemente de hidrogênio e são regiões de intensa formação estelar. O brilho que percebemos é devido à radiação ultravioleta de estrelas nascidas ali que ioniza o hidrogênio ao redor. Nebulosas que emitem luz devido ao processo de ionização provocado por estrelas próximas são chamadas de nebulosas de emissão.

É fácil na imagem identificar quem é a Pata do Gato e quem é a Lagosta na imagem abaixo, não é?

Nebulosas da Pata do Gato (NGC 6334, na arte superior direita) e da Lagosta (NGC 6357, abaixo à esquerda). Ambos objetos são ativas regiões de formação estelar iluminados pela ação produzida pela radiação de estrelas jovens formadas ali. A imagem tem cerca de dois bilhões de pixels e é uma das maiores produzidas pelo ESO.
Nebulosas da Pata do Gato (NGC 6334, na arte superior direita) e da Lagosta (NGC 6357, abaixo à esquerda). Ambos objetos são ativas regiões de formação estelar iluminados pela ação produzida pela radiação de estrelas jovens formadas ali. A imagem tem cerca de dois bilhões de pixels e é uma das maiores produzidas pelo ESO.

As duas nebulosas encontram-se na constelação do Escorpião. A Pata do Gato está a cerca de 5.500 ano-luz da Terra e a Lagosta a uns 8 mil anos-luz. Foram primeiramente registradas em 1837 por John Herschel, que com toda certeza adoraria ver essa imagem!

São milhares as estrelas nascidas dessas nebulosas, e a Pata do Gato é uma das regiões de formação estelar mais ativas que conhecemos.  Além das regiões brilhantes, vemos na imagem que existem também nuvens escuras que obscurecem a luz vinda de trás.

Avanços tecnológicos na Astronomia trazem conhecimentos, e, com eles, belezas que nem sequer pensamos que existe.

Leia Mais:

Site do ESO (em inglês): https://www.eso.org/public/news/eso1705/