Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Terra Já Teve Duas Luas?

É possível que a Terra já tenha tido duas Luas. Um artigo publicado na edição de 4 de agosto de 2011 da revista Nature (veja o resumo do artigo aqui, em inglês), sugere que o provável impacto que deu origem à nossa Lua teria, também, dado origem à um outro corpo.

A teoria mais aceita sobre a formação da Lua diz que um objeto de tamanho aproximado ao de Marte teria se chocado com a Terra ainda no início da formação do Sistema Solar, há uns 4 bilhões de anos, e os fragmentos resultantes se agregaram para formar nosso satélite. Mas a Lua é estranhamente muito assimétrica. A porção de sua superfície voltada para a nós é bastante diferente da chamada face oculta, que não vemos. Enquanto vemos uma face da Lua onde predominam planícies de lava solidificada, os mares lunares, a face oculta é dominada por terras montanhosas.

Se os fragmentos do impacto que formou a Lua deram origem também a um outro objeto menor, esse pode ter se chocado com nossa mais conhecida Lua e se espalhado pela superfície, explicando a parte montanhosa de nosso satélite. O objeto menor teria 1/3 do tamanho de nosso atual e único satélite natural.

Para tentar lançar mais luz sobre a questão, será iniciada a missão GRAIL, sigla em inglês de Gravity Recovery And Interior Laboratory. Seu objetivo é mapear o campo gravitacional da Lua e, assim, nos permitir conhecer melhor sua distribuição de matéria. Isso poderia nos fornecer mais indícios sobre um possível antigo companheiro que se aderiu à nossa Lua.

O lançamento da missão GRAIL aconteceu neste sábado, 10 de setembro.

Para ler mais:

Site da NASA sobre a missão GRAIL e a teoria das duas Luas – http://science.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2011/07sep_twomoons (em inglês)

Simulação de computador sobre as duas luas – http://news.ucsc.edu/2011/08/big-splat.html (em inglês)

Site da missão GRAIL – http://moon.mit.edu/overview.html (em inglês)

Notícias sobre o lançamento da GRAIL – http://www.nasa.gov/mission_pages/grail/main/index.html (em inglês)