Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Cruzando o Universo. Ou não…

A notícia era simples e direta: foi encontrado um novo anel em Saturno. Isso por si só já me causa um certo incômodo… Sim, pois o sistema anelar de Saturno deveria ser entendido como uma faixa contínua de detritos que circundam o planeta, algumas regiões mais densas e outras menos.

Acho que, do ponto de vista científico, a manchete deveria ser: foi descoberta que a região dos anéis de Saturno é mais extensa do que se pensava. Mas, é claro, isso dilui (e muito) a força da notícia. E de modo nenhum critico o jornalismo sério que, vez ou outra, precisa exagerar em suas manchetes. É a manchete que prende o leitor (ou telespectador) e, portanto, ela é fundamental para o sucesso da notícia. Se o texto que se segue for correto, que mal há em se “aditivar” a chamada?

Pois era essa a manchete: um novo anel foi descoberto ao redor do planeta Saturno. E acompanhando a cobertura do telejornal de maior audiência de nosso país, vejo o correspondente nos EUA abrir a matéria com a seguinte frase:

“O telescópio Spitzer, que cruza o Universo…” (estou citando de memória; posso ter errado a palavra exata, mas o sentido certamente é o mesmo…)

Eu não sei quanto a vocês, mas quando ouço esta frase penso logo em algo ao estilo da fictícia nave Enterprise, do seriado de televisão Jornada nas Estrelas (e dos filmes, claro!). “Cruzar o Universo” me leva longe, “a lugares nunca antes visitados”. Imagino o vazio espacial, a solidão do vácuo, a distância infinita. E lá está o telescópio Spitzer singrando o nada interestelar… Isso, para mim, é “cruzar o Universo”: ir de um lado a outro, deste vasto, vasto Cosmos!

O telescópio Spitzer é um dos quatro grandes observatórios da NASA, todos telescópios espaciais. Os outros três são o Compton, o Chandra e, claro, o mais famoso de todos, o Hubble. O Spitzer está em órbita heliocêntrica, ou seja, ele fica dando voltas ao redor do Sol. Dá uma volta a cada ano. Isso não parece familiar? Seu movimento pelo espaço é exatamente igual ao da Terra: órbita solar com período de um ano.

Você diria que a Terra “cruza o Universo” ao descrever seu movimento? Certamente eu não diria isso. Ou seja, como frase de abertura para uma notícia, pode ter sido muito bela. Mas acho que induz o telespectador ao erro.

Se dependesse de mim, a matéria teria começado com a seguinte frase: “o telescópio Spitzer, em órbita do Sol…” Bem menos poético, eu sei, mas bem mais acurado. Mas talvez eu esteja sendo hipercuidadoso. O que não deixa de ser bom, para quem lida com divulgação científica…