Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Uma conversa robótica no espaço

 

Muitos devem ter assistido o clássico filme de Stanley Kubrick: “2001, Uma Odisséia no Espaço” (1968). Se não assistiu, procure e assista. No filme, os astronautas conversam com um possante computador chamado HAL9000. Essa máquina fictícia, além de operar a nave, tinha o papel de fazer companhia aos astronautas. Uma inteligência artificial poderia ajudar muito no longo voo para afastar a solidão e o tédio.

 

Recentemente, um pequeno mascote robô foi enviado a Estação Espacial (ISS) com o mesmo propósito. Claro que o pequeno Kirobo não é tão bom de papo como o HA9000. Você tem que falar devagar para ele entender e seu vocabulario ainda é bem limitado. Kirobo não foi o primeiro robô a ir ao espaço. Em 2011, um robô maior, o R2 Robonaut, foi enviado a ISS. Apesar de se parecer mais com um humano (tinha braços e cabeça parecidos com um astronauta em traje espacial), ele não era bom de conversa limitando-se a tarefas braçais.

 

No futuro, com missões mais longas como uma viagem a Marte, interagir com maquinas falantes pode ajudar psicologicamente os astronautas.

 

Veja os links abaixo:

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/12/astronauta-japones-conversa-com-robo-na-estacao-espacial-internacional.html

http://robonaut.jsc.nasa.gov