Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Um cometa passando de raspão por Marte

 

Em 3 de janeiro de 2013, o astrônomo Robert H. McNaught descobriu um cometa. O astro recebeu o nome de Siding Spring C/2013 A1, em homenagem ao observatório de onde foram feitas as observações. A princípio se pensava que ele poderia colidir com Marte, mas cálculos mais precisos indicam que sua órbita vai levá-lo a 132 mil quilômetros de distância da superfície do planeta. Isso é muito pouco para os padrões planetários, pouco mais que um terço da distância Terra-Lua. É previsto que a aproximação máxima ocorra em 19 de outubro de 2014.

Em 1994, o cometa Shoemaker-Levy 9 colidiu com o planeta Júpiter e vários telescópios no solo e em órbita da Terra puderam acompanhar o fenômeno, mas não havia nenhuma nave ao redor do planeta para documentar o fato. A sonda Galileu ainda estava a caminho de Júpiter. Hoje existem seis sondas em Marte para acompanhar este “raspão planetário”: dois rovers na superfície marciana (Curiosity e Opportunity) e quatro sondas em órbita. Das sondas orbitais três são da NASA (Mayen, Mars Odissey e Mars Reconnaissance Orbiter) e uma Indiana (Mangalyaan).

Diferente de outros cometas, já observados por sondas, este cometa vem de longe, de uma região denominada nuvem de Oort. É bem provável que o Siding Spring não volte mais a passar próximo de nós. Por isso esta é uma oportunidade muito interessante.

Em tempo, para ver este cometa você vai precisar de um telescópio potente e muita sorte. Ele não brilha muito e estará tão perto de Marte que a luz do planeta deve ofuscar sua imagem. É mais interessante acompanhar as imagens das agências espaciais.

 

Link de interesse:

http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2014/10/09/um-cometa-a-caminho-de-marte/

http://mars.nasa.gov/comets/sidingspring/

http://www.ustream.tv/NASAJPL