Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Tempestade em Urano

 

Tempestades não são privilégios da Terra. Em alguns planetas do Sistema Solar podemos observá-las. E nos planetas gigantes e gasosos estas tempestades ganham dimensões ainda maiores. Terra e Marte também são frequentemente atingidos por ventos bastante fortes.

A mais conhecida tempestade de todos é a Grande Mancha Vermelha em Júpiter. Ela é observada há mais de quatro séculos – desde a época em que Galileu começou a fazer as suas primeiras observações. Como o planeta é praticamente gasoso, os ventos ali atingem velocidades superiores a 1.000 km/h, bem mais que os furacões que aparecem aqui na Terra e trazem grandes destruições. Saturno também apresenta tempestades.

Os astrônomos, trabalhando com o telescópio do Observatório Keck, no Havaí, conseguiram observar agora um conjunto de tempestades no planeta Urano. Uma grande mancha já havia sido vista naquele planeta por ocasião da passagem da nave Voyager em 1986. Conhecida como “Berg” (pois lembrava um iceberg se desprendendo da calota polar), aquela mancha desapareceu com o tempo, em 2009.

Agora, as manchas observadas com câmeras que captam imagens no infravermelho, são bem mais brilhantes. Os pesquisadores acham que elas estão associadas a vórtices mais profundos na atmosfera e com o tempo atingem alturas cada vez maiores. Os cálculos para saber a origem e a dinâmica destas tempestades ainda precisam de mais informações.

Essas tempestades são bonitas de se observar, pelo menos quando estão bem distantes…