Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Seu smartphone pode fazer ciência

Os smartphones são muito mais que telefones portáteis e vão bem mais além de tirar fotos e acessar a internet. Dependendo do aparelho, a capacidade computacional supera, de longe, os primeiros computadores pessoais. Além de chips poderosos, os modelos mais modernos vêm com uma enorme variedade de sensores: receptores GPS, magnetômetros, acelerômetros e sensores ópticos variados. Existem smartphones que possuem até barômetros. Em resumo, você pode ter no seu bolso o equivalente a uma sonda espacial no que se refere a aparelhos de medida. Que tal usar estes sensores para finalidades científicas? Algumas aplicações interessantes podem ser facilmente implementadas no seu celular. Existem kits de óptica que transformam seu aparelho num microscópio ou telescópio.

A última novidade foi usar o celular para detectar raios cósmicos. Este tipo de radiação é altamente energética e de origem sideral. Ao colidir com a atmosfera terrestre, um raio cósmico produz uma cascata de partículas subatômicas. Ainda não há uma unanimidade sobre como se formam estes raios. Acredita-se que muitos processos no interior das galáxias podem ser decifrados pelo estudo desta radiação. Entretanto, os detectores de raios cósmicos acadêmicos são dispositivos enormes e caros.

Um grupo de pesquisadores do Wisconsin IceCube Particle Astrophysics Center (EUA) utilizou uma propriedade dos sensores das câmeras dos nossos celulares para contabilizar partículas oriundas de um raio cósmico. Quando uma partícula destas atinge o chip de silício produz uma pequena descarga elétrica que pode ser registrada. Geralmente, isso é descartado pelos softwares fotográficos como um ruído. Aproveitando-se disto, a equipe desenvolveu um aplicativo para contabilizar eventos de partículas: o DECO (Distributed Electronic Cosmic-ray Observatory). O aplicativo roda em aparelhos Android. Por enquanto, o DECO tem uma funcionalidade mais educativa do que acadêmica. Mas, imagine milhares de aparelhos dispersos pelo mundo registrando por longos períodos a um custo mínimo. Este tipo de estratégia tem bastante potencial.

Saiba como instalar o app aqui.

 

Link de interesse: