Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Primeiro exoplaneta orbitando gêmea solar em um aglomerado

 

Astrônomos descobriram três planetas orbitando estrelas do aglomerado aberto M67, também catalogado como NGC 2682, que reúne cerca de 500 estrelas a cerca de 2.500 anos-luz na constelação de Câncer, ou Caranguejo. Apesar de mais de mil exoplanetas, ou planetas extrassolares, já terem sido confirmados, poucos foram encontrados em aglomerados estelares.

 

E mais interessante ainda é que dois desses planetas orbitam estrelas semelhantes ao Sol, uma delas considerada gêmea solar. Uma gêmea solar é uma estrela quase idêntica ao Sol, em diversos aspectos. Esse é o primeiro exoplaneta detectado em uma gêmea solar dentro de um aglomerado. Esses dois planetas têm cerca de um terço da massa de Júpiter e são bastante velozes, orbitando suas estrelas em alguns dias.

 

 

Uma gêmea Solar influencia o espaço ao seu redor da mesma forma que o Sol, ou seja, mesma intensidade de vento estelar, mesma quantidade de radiação, mesmo brilho, mesma temperatura e mesmos tipos de atividades. Isso seria o cenário ideal para encontrarmos vida semelhante à da Terra, caso também fosse encontrado um planeta parecido com a Terra, a uma distância de cerca de uma unidade astronômica da estrela, e com uma Lua de tamanho proporcional à nossa Lua, com cerca de um quarto do tamanho do planeta. O fato da nossa Lua ser grande é um fator importante para a vida, pois ela mantém nosso eixo de rotação estável e protege o planeta de impactos de asteroides.

 

O terceiro planeta descoberto em M67 orbita uma estrela gigante vermelha, mais evoluída que o Sol. Tem mais massa que Júpiter e sua órbita demora 122 dias para se completar.

 

Veja abaixo um vídeo falando sobre os planetas de M67 (em inglês).

 

http://www.youtube.com/watch?v=ALGWq7BR0oU

 

Leia Mais:

 

Site do ESO (em inglês): http://www.eso.org/public/news/eso1402/