Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Pra onde tenha Sol, é pra lá que eu vou!

 

Sim, o título do blog de hoje é uma frase da famosa música “o Sol”, interpretada pelo grupo Jota Quest. Ainda que a letra não se refira à escuridão pelo desaparecimento de nossa estrela, está bem adequada ao nosso tema. Nosso Sol não existirá para sempre.

 

Nossa estrela, assim como todas as outras, produz sua própria luminosidade, sendo por isso denominada em alguns livros de “corpo luminoso”. A Lua, ao contrário, é percebida majestosamente nas noites límpidas (e dias também), por refletir a luz do Sol.

 

O Sol realiza em seu interior, bem lá nas profundezas, uma série de processos, chamados de reações termonucleares. A principal delas consiste em “juntar” quatro núcleos de hidrogênio, gerando um núcleo de hélio. Desse casamento, uma enorme quantidade de energia é liberada, na forma de luz e, claro, calor.

 

Mas se a quantidade de energia liberada é imensa, a quantidade de “combustível” gasto é igualmente grande. No interior do Sol, algo como 600 milhões toneladas de hidrogênio, por segundo, são transformadas em hélio! Isso significa que enquanto tivermos hidrogênio no Sol, estamos bem.

 

Por sorte, nosso Sol é bem grande (cabem 1.400.000 terras em seu interior) e, portanto, temos bastante combustível ainda. Este processo é extremamente eficiente e duradouro. Estima-se que o Sol tenha 4,5 bilhões de anos, e que tenhamos pela frente mais uns 5 bilhões, ao menos. Mas uma hora, teremos sim problemas, o Sol ficará instável, aumentará em volume, e num último suspiro, ejetará boa parte de sua superfície para o espaço, aniquilando os planetas mais próximos (Mercúrio, Vênus e talvez a Terra). Nossa estrela terá uma classificação pomposa (“nebulosa planetária”), mas será então uma vaga lembrança distante do outrora vigor energético que sustentou a vida na Terra por 10 bilhões de anos. A vida, por sinal, deixará de existir, com certeza.

 

Nós, humanos, temos um desafio. Na verdade, dois. O primeiro, de conseguir manter este planeta habitável nos próximos cinco bilhões de anos, antes de a escuridão chegar. O segundo, encontrar um lugar para onde possamos correr, ou seja, “pra onde tenha Sol”.