Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Planetários Digitais

Os planetários sugiram na década de 30 do século passado. Seu princípio de funcionamento evoluiu muito pouco ao longo do tempo, consistindo basicamente de um conjunto de projetores, cada um concebido para reproduzir uma área do céu. Todo o conjunto simulava o aspecto do céu estrelado como visto a olho nu. Esses projetores eram acoplados a motores para a simulação dos movimentos principais da esfera celeste. O sistema ficava localizado no centro de uma sala e projetava o céu numa tela hemisférica instalada na cúpula. Até os anos sessenta, os tópicos apresentados nos planetários eram, principalmente, os movimentos da Terra e dos planetas, além do reconhecimento das estrelas e constelações. Aos poucos, outros recursos se somaram ao planetário, como projetores de slides. As imagens obtidas com grandes telescópios e satélites, e a própria conquista espacial permitiram explorar muitos outros temas interessantes. Essa configuração básica permaneceu quase inalterada até a década de 80 do século passado, quando começaram a surgir os primeiros projetores digitais. Estes modelos consistiam de um projetor central com uma objetiva “olho de peixe”. Embora a qualidade das imagens estelares fosse nitidamente inferior à dos projetores de planetário convencionais, optomecânicos, a possibilidade de projetar outras imagens e animações em toda a cúpula já sinalizava o enorme potencial que essa tecnologia poderia trazer.
Nos últimos dez anos, os planetários digitais apresentaram um crescimento extraordinário graças ao surgimento de projetores e computadores de baixo custo e alta performance. Embora a qualidade das imagens estelares ainda seja um pouco inferior à dos optomecânicos, característica que quase sempre passa desapercebida pelo público, as vantagens dos planetários digitais são inúmeras: produções mais imersivas, baixo custo de aquisição e de manutenção, infinidade de efeitos visuais, reprodução de animações, possibilidade de exibir animações estereoscópicas (3D).  Outra vantagem importante são as produções que não são exclusivamente astronômicas, o que abre um potencial muito grande, principalmente no tange ao atendimento de estudantes, permitindo que se explore outros temas curriculares, como, por exemplo, o interior do corpo humano. Atualmente, nas cúpulas médias e grandes, são empregados vários projetores que montam um enorme mosaico na tela, dando a ilusão de ser uma única imagem. Esses projetores, ao contrário dos optomecânicos, podem e, em geral, são instalados na periferia da cúpula e não no centro. A disposição das poltronas pode ser unidirecional, semelhante à dos cinemas. Desse modo, todos os espectadores observam na mesma direção, comodamente, a mesma cena. Isso é particularmente importante quando a produção apresenta personagens. Não obstante, é possível que muitas pessoas se ressintam da ausência de um enorme projetor no centro e da disposição não concêntrica das poltronas. Não se pode negar que num planetário optomecânico, o impacto “cenográfico” é muito grande.
Finalmente, não podemos esquecer do objetivo principal de um planetário: a difusão científica. Qualquer que seja o tipo ou o tamanho do equipamento que se tem à mão, é fundamental tirar o máximo proveito dele na transmissão do conhecimento. No atendimento do público escolar, o planetário deve ser encarado como um equipamento didático e não exclusivamente de entretenimento. Não se deve, a meu ver, cair na tentação de mostrar imagens e animações fantásticas sem que elas estejam inseridas no conteúdo programático.
A Fundação Planetário digitalizará a cúpula Galileu Galilei nos próximos meses e, provavelmente, a Carl Sagan no próximo ano. Continuará a atender com a mesma atenção e carinho os estudantes nas sessões didáticas, mas ampliará, também, a oferta de sessões para o público geral com características culturais e entretenimento científico.


http://www.itexam-online.com/
http://www.passexamvce.com/
http://www.itcert-online.com/
n10-006 practice test
220-901 practice test
adm 201 practice exam
70-532
640-916 dumps pdf
300-135 vce
70-346 study guide pdf
70-534 book
200-105 icnd2 pdf
300-070 vce
300-209 dumps
300-101 dumps
70-483
200-355 wifund
210-065 pdf
840-425 exam pdf
70-532 exam preparation
220-901 dumps