Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Planeta Azul

 

Desde 12 de abril de 1961, como muitos acreditam, erroneamente, que o cosmonauta Yuri Gagarin tenha dito ─ A Terra é azul! ─, o imaginário popular concebe que um planeta habitável deve ter esta cor. Isto até pode ser verdade, mas, até agora, não temos nenhum planeta candidato, na zona de habitabilidade de uma estrela, com estas características. 

No dia 11 de julho de 2013, a Agência Espacial Norte-Americana (NASA) comunicou a descoberta da cor real de um exoplaneta pela primeira vez. Obtida pelo Telescópio Espacial Hubble, o planeta HD189733b encontra-se a 63 anos-luz de distância, sendo um dos mais próximos onde é possível observar o seu trânsito. 

Segundo Frederic Pont, da Universidade Exeter, na Inglaterra, ao observar todas as fases de uma ocultação do planeta por sua estrela, notou-se uma alteração na cor azul durante o fenômeno, ou seja, quando o planeta encontrava-se eclipsado pela estrela, ocorreu uma diminuição significativa da cor azul, evidenciando a cor do planeta, enquanto as cores verde e vermelho mantiveram-se inalteradas.

O planeta HD189733b encontra-se muito próximo de sua estrela, apenas 4,7 milhões de quilômetros, fazendo com que o planeta não apresente rotação devido a interações gravitacionais, semelhante ao fenômeno observado em nossa Lua: um dos lados está sempre apontado para a Terra. No caso do planeta, apenas um dos lados fica iluminado enquanto o outro encontra-se em completa escuridão.

A temperatura do lado iluminado é de aproximadamente 1.100ºC com a ocorrência de chuvas de vidro. Isto mesmo! Vidros! A combinação do calor associado ao fato das nuvens serem saturadas de silicatos faz com que sejam criadas gotas de vidro que caem como chuvas na superfície do planeta. A luz ao passar pelas gotículas de vidro é dispersada, privilegiando a luz azul na atmosfera em detrimento da vermelha, dando a cor azulada ao planeta. 

Em 2007, foi possível obter o primeiro mapa de temperaturas em infravermelho para este planeta, produzido pelo telescópio Spitzer. A diferença entre o lado iluminado e o lado escuro é de cerca de 260ºC. Esta diferença de temperatura causa ventos de até 7.000km/h que produzem silvos na atmosfera. 

Todas estas características inóspitas, aliada ao fato desse planeta estar classificado como do tipo Júpiter quente, ou seja, planeta gigante gasoso muito próximo da estrela central, eliminam qualquer chance de podermos habitar este mundo. Continuemos nossas buscas!