Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Os Planetários da nossa Fundação

Quando comecei a trabalhar aqui na Fundação Planetário, a nossa cúpula menor daqui da Gávea, a Galileu Galilei, possuía um planetário modelo Spacemaster da Zeiss, digo possuía, pois ela está prestes a ganhar um planetário digital de última geração. O antigo já pode ser visto no nosso salão de exposição. Além do planetário, a Galileu, como é chamada na intimidade, funcionava com cinco projetores de slides, sendo um deles móvel, e, completando o grupo de equipamentos, um projetor de vídeo com controle manual de abertura de vídeo. Esse planetário não era automatizado, fazendo com que o astrônomo que passasse uma sessão tivesse que trabalhar muito e com bastante atenção.
Em 1998, foi inaugurada a nossa cúpula maior, a Carl Sagan, com o planetário também da Zeiss, modelo Universarium, que, além de automatizada ao extremo, abrigava muito mais equipamentos: 59 projetores de slides, sendo um móvel; três de vídeo, sendo um móvel; unidades de laser disks (LD); super VHS (SVHS) e áudio de seis canais. Hoje em dia, estamos minimizando as unidades de projeção por slides, trocamos os LD’s por DVD’s e abandonamos os SVHS. São os sinais do tempo. Estamos preparando a Carl Sagan para, daqui a alguns anos, fazermos a sua digitalização.
A Fundação Planetário também conta com um planetário em Santa Cruz, só que este já é digital. Com alto grau de programação e imersão, este equipamento consegue levar o visitante para viagens incríveis, inimagináveis. Está localizado dentro da Cidade das Crianças e é um dos atrativos de lá.
Uma sessão de planetário não é como uma de cinema. Nossas cúpulas são hemisféricas, e existe projeção em toda a sua superfície; logo, atrás do visitante, também há imagens sendo projetadas. É uma diversão diferente, pois o público sai, também, com informações sobre Astronomia.