Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Os eclipses no ano de 2014

 

Mais um ano passará e, no Brasil, não teremos a oportunidade de ver um eclipse fantástico. Bonitos são os eclipses solares totais ou anulares (quando a Lua cobre apenas parte do círculo do Sol e sobra um anel ao seu redor). Em 2014, teremos quatro eclipses, sendo dois solares e dois lunares.

 

Os eclipses ocorrem quando a Lua cobre parcialmente ou totalmente o Sol – eclipses solares – ou, ainda, quando a Lua entra na sombra da Terra e fica mais escura, algumas vezes bem avermelhada. Para se observar um eclipse lunar basta olhar para ao céu, sem a necessidade de usar qualquer instrumento. Já para o eclipse solar temos que nos preparar melhor. Não se deve olhar diretamente para o Sol sem proteção, muito menos com um telescópio que aumenta a luminosidade do astro. Corre-se o risco de ficar cego! É necessário utilizar um filtro de soldador número 14 e, mesmo assim, tomar o cuidado de não ficar observando por muito tempo. Ao utilizar um telescópio deve-se usar um filtro específico que se acopla ao instrumento, diminuindo a sua luminosidade.

 

Mas, voltemos aos eclipses deste ano. O primeiro será no dia 15 de abril – um eclipse lunar total. A Lua entrará na umbra – sombra da Terra e é quando o eclipse será visível pelo público à vista desarmada – às 2h58min19s. Estará totalmente eclipsada às 4h6min47s e permanecerá assim até as 5h24min35s. O eclipse poderá ser visto até próximo ao nascer do Sol, que no Rio de Janeiro será às 6h6min. Quase metade do Brasil – nordeste, partes do sudeste, do norte e do centro-oeste – poderá acompanhar o eclipse, mas não até o seu fim. Mas a parte mais bonita e visível poderá ser contemplada.

 
O outro eclipse total da Lua será em 8 de outubro de 2014, mas só poderá ser observado por grande parte da região norte e uma pequena parte do centro-oeste. As demais regiões do Brasil não poderão contemplar a olho nu este fenômeno.
 
 
Já os dois eclipses solares – um anular em 29 de abril e outro, parcial, em 23 de outubro – não poderão ser vistos no Brasil. O primeiro será visto na Antártica e na Oceania. Já o segundo, no Canadá e Estados Unidos.
 
 
O último eclipse total do Sol visível no Brasil foi em 29 de março de 2006, para a felicidade de quem morava nas redondezas de Natal. O próximo será em 12 de agosto de 2045, visível nos estados de Amapá, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. Infelizmente, o Brasil não tem sido coroado com estes belos espetáculos nos últimos anos.
 
 
Veja mais sobre a ocorrência de eclipses em inglês: