Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Onde está a Voyager 1?

Por Jorge Marcelino – Astrônomo da Fundação Planetário do Rio de Janeiro

 

A nave Voyager 1, juntamente com a Voyager 2, é um dos grandes feitos da Humanidade. Lançada em 5 de setembro de 1977 para estudar os planetas gigantes gasosos do Sistema Solar, enviou inúmeras informações sobre a composição e a estrutura destes planetas, suas luas e seus anéis (sim, anéis, todos os gigantes gasosos possuem anéis). Após cumprir a missão principal, segue agora rumo ao centro da Via Láctea para estudar o meio ambiente dos limites do Sistema Solar e o espaço interestelar.

Para se determinar o limite do Sistema Solar precisamos estudar o vento solar e a influência do meio interestelar sobre este. O vento solar desloca-se a uma velocidade média de 1,5 milhão de quilômetros por hora. Ao encontrar com o material do meio interestelar, o vento solar desacelera, aquecendo-se, formando uma estrutura oval gigantesca. O limite interior desta região chama-se zona de choque terminal. Entramos agora em uma estrutura turbulenta chamada Heliosheath (não tem uma tradução para o português). Ao ultrapassar esta região, o limite do Sistema Solar é alcançado. Esta região de transição, onde as pressões do vento solar e do meio interestelar se anulam é chamada Heliopausa.

Diferentemente do noticiado, e rapidamente desmentido pelos pesquisadores da NASA, a Agência Espacial Norte-Americana, a Voyager 1 não ultrapassou o limite do Sistema Solar, mas encontra-se na Heliosheath ou seja, entre a zona de choque terminal e a Heliopausa. Provavelmente, em alguns anos, as Voyagers irão ultrapassar os limites do Sistema Solar, mas não foi agora (21 de março de 2013).

 

Imagens de Astrosferas de estrelas que, para o Sol, é chamada de Heliosfera.

 

Ilustração das diversas regiões da Heliosfera