Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Ondas gravitacionais

LIGO quer dizer Laser Interferometer Gravitational-wave Observatory, que em livre tradução seria Observatório de ondas gravitacionais por interferometria a laser. Sua missão: detectar distorções no próprio espaço-tempo que o contém (e contém a todos!). Essas distorções são chamadas de “ondas gravitacionais” e, após mais de uma década de buscas, elas finalmente foram encontradas!

Gerido por um consórcio de universidades e centros de pesquisa dos EUA, encabeçado pela CalTech e pelo MIT, o LIGO são na verdade dois observatórios: um no estado de Washington, costa oeste norte-americana, e outro no estado da Louisiana, no Golfo do México. Ambos consistem em grandes construções em forma de “L”, cada braço, com cerca de 4km, abrigando um delicado feixe de laser que se mantém em contínuo vaivém graças a espelhos nas extremidades. A esperança – comprovada- era de que uma onda gravitacional mudasse, ainda que por frações de segundo, a posição desses espelhos, causando uma interferência nos feixes luminosos.

Não custa lembrar: ondas gravitacionais são distorções no espaço. A passagem de tais ondas por nossa vizinhança causaria distorções em tudo: no planeta, nas cidades, nas pessoas. Mas como essas distorções são infinitamente sutis, e quando acontecem, acontecem em uníssono ao nosso redor, nós não as percebemos. De fato, para que o LIGO pudesse detectar estas ondas, e foi isso que ele fez em setembro passado (e que foi anunciado hoje), foi necessário um choque colossal entre dois buracos negros, que aconteceu há cerca de um bilhão de anos, muito, mas muito longe daqui!

As ondas gravitacionais foram previstas por Einstein em 1915, mas só agora foram finalmente detectadas pelo LIGO. Estamos abrindo uma nova janela de observação do Universo! Nas palavras dos cientistas do LIGO, é como se Galileu estivesse usando seu telescópio para ver os céus pela primeira vez novamente!

É a história da Ciência sendo construída bem em frente de nós…