Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Observatório Europeu do Sul – 50 anos sob um teto de estrelas

 

Por Naelton Mendes de Araujo – Astrônomo da Fundação Planetário

O melhor céu para observação astronômica tem que ser o mais escuro possível e sem obstáculos. Os principais obstáculos à transparência do céu são a poeira, a fumaça e a umidade. Outro fator que atrapalha a observação é o contraste luminoso. Grandes cidades emitem luz demais para o alto que tira a escuridão celeste. Esta poluição luminosa oculta o mais interessante para a Astronomia: os objetos menos brilhantes. Se pudéssemos escolher um lugar ideal para colocar um observatório terrestre buscaríamos um lugar bem alto, bem seco e longe das cidades. Este lugar existe: a região do deserto de Atacama no alto dos Andes
Chilenos, onde passa séculos sem chover.

O lugar mais seco do mundo atraiu a atenção da organização European Southern Observatory (ESO- Observatório Europeu do Sul) que faz 50 anos de existência. A sede do ESO fica próxima a Munique (Alemanha). O Brasil aspira ser membro e o Chile empresta o seu solo e, por isso, pode utilizar os telescópios. Para comemorar os 50 anos o ESO criou a exposição “O Universo Deslumbrante”, com fantásticas imagens de telescópios e astros para o prazer dos amantes da Astronomia.

Venha conhecer a exposição no Planetário da Gávea

Mais informação sobre o ESO (em português): http://www.eso.org/public/brazil/