Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O olhar de Juno

Sucesso! Assim podemos declarar a manobra de inserção da sonda Juno na órbita do gigante dos planetas, Júpiter. A partir de agora é esperar pelas imagens e dados científicos que ela nos enviará.

Júpiter está cerca de 820.000.000 quilômetros de distância, pouco se compararmos com a imensidão do Universo. Mas para nós humanos, um enorme passo para a pesquisa espacial.

Agora, o quê esperar de Juno? Sua missão é, principalmente, entender a origem e a evolução de Júpiter. Conhecendo Júpiter, podemos conhecer outros planetas fora do Sistema Solar.
Com este objetivo, Juno vai olhar no interior da atmosfera e medir a sua temperatura, os movimentos das nuvens, conhecer a sua composição, além de outras propriedades.

Irá determinar o quanto de água existe em sua atmosfera, o que permitirá saber qual a teoria de formação planetária está correta, ou se teremos que fazer uma nova.

Além disso, Juno irá explorar a magnetosfera jupteriana, principalmente próxima aos polos, onde ocorrem as auroras, para conhecer melhor como isso afeta a sua atmosfera.

Importantíssimo, também, é vasculhar o seu interior, através do mapeamento magnético e do campo gravitacional, para desvendar sua estrutura interna. Procurar por um núcleo rochoso, quem sabe?

Todas essas pesquisas são fundamentais, não só para conhecer o planeta gigante, mas para aprimorarmos nossa compreensão de como o Sistema Solar foi formado e a importância de Júpiter neste contexto.

Estamos ansiosos pelas notícias de Juno! (A título de curiosidade, as informações demoram pouco mais de 45 minutos para chegar até nós.)