Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O mistério da massa em nossa Galáxia

 

Por Luís Guilherme Haun – Astrônomo da Fundação Planetário

Em órbita desde 1999, o telescópio espacial de raios X, Chandra tem feito importantes revelações sobre o Universo. Seu nome é em homenagem ao astrônomo indiano Subramanyan Chandrasekhar, ganhador do prêmio Nobel em 1983 por seus estudos sobre a estrutura e evolução das estrelas.

Ao observar nossa galáxia, a Via Láctea, ele parece ter detectado um halo de gás quente envolvendo ela, até então desconhecido. Este gás se estende por centenas de milhares de anos-luz e pode ter massa de centenas de bilhões de estrelas, a mesma quantidade de massa das estrelas de nossa galáxia.

Se os dados forem confirmados, uma grande descoberta acaba de ser feita e poderá resolver, pelo menos em parte, um problema que instiga os astrônomos: a matéria escura. Só conseguimos observar 4% de toda a matéria existente no Universo (matéria luminosa). O restante deve estar na forma do que chamamos de “matéria escura”. Grande parte dessa matéria estaria na forma de bárions (prótons e neutros são os mais conhecidos). Eles podem ser observados com detectores de raios X, ou através de seus efeitos sobre a matéria luminosa.

Estamos próximos da descoberta dos “bárions desaparecidos”. E ao descobri-los damos um grande passo para compreender melhor os mistérios do Universo.