Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O Legado da supernova SN 2011fe

A supernova SN 2011fe foi descoberta em 24 de agosto de 2011 por um grupo de astrônomos da Universidade  CalTech. Durante observações rotineiras da galáxia M101, tiveram a felicidade de observar a supernova apenas algumas horas após a explosão. Para entendermos a importância da descoberta, precisaremos entender um pouco desses objetos exóticos.

As supernovas surgem da destruição repentina de estrelas. As supernovas são classificadas de diferentes maneiras, dependendo do tipo de estrela que as origina. Temos dois tipos principais: a supernova é originária da explosão de uma estrela pequena, chamada anã branca (Tipo I), ou é gerada a partir da explosão de uma estrela gigantesca com massa muitas vezes maior que a do nosso Sol (Tipo II). Existe ainda uma subclassificação em função da presença, ou não, de silício fazendo com que possamos ter tipos Ia ou Ib. A análise espectroscópica de SN 2011fe revelou tratar-se de uma supernova do Tipo Ia e, portanto, originária de uma anã branca.

Uma estrela pequena como uma anã branca não seria capaz de virar uma supernova sozinha. É necessário um mecanismo externo influenciando-a. De fato, ela deve fazer parte de um sistema estelar binário e após receber suficiente massa de sua companheira e eventualmente atingir uma massa crítica de 1,4 massas solares (chamada limite de Chandrasekhar), ela não consegue mais suportar sua própria gravidade e colapsa. Como resultado do colapso, uma repentina e violenta queima termonuclear ocorre em seu interior e ela explode. A explosão em si é o que chamamos supernova e pode ser tão energética quanto o brilho de todas as estrelas da galáxia reunidas. Isso faz com que possam ser facilmente observadas, mesmo nas galáxias mais distantes.

A descoberta praticamente no início do processo torna a descoberta particularmente importante: será possível observar detalhes da evolução de uma supernova de uma maneira inédita, uma vez que não sabemos quando uma estrela irá explodir de maneira a apontar o telescópio com antecedência. Existe ainda um outro aspecto igualmente importante. Todas as supernovas do tipo Ia apresentam a mesma quantidade de luz ao atingir o seu brilho máximo. Essa característica lhes confere a qualidade de serem verdadeiras réguas astronômicas. Ou seja, podem ser usadas para medir as distâncias das galáxias, mesmo as mais distantes. No caso de M101, a distância já é bem conhecida, mas a SN 2011fe deixará como legado, o aperfeiçoamento da técnica de determinação de distâncias no Universo.