Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Novos membros extrassolares

Lançado em 27 de dezembro de 2006 e com provisão de funcionamento mínimo de dois anos e meio, o satélite COROT (um acrônimo das palavras COnvecção, ROtação e Trânsito) encontrou mais seis planetas fora do Sistema Solar. Ele tem a missão de buscar planetas extrassolares e de estudar a sismologia de estrelas (apesar de o dicionário do Aurélio Buarque de Holanda Ferreira utilizar o termo apenas para os fenômenos terrestres, sismologia é o termo empregado pelos astrônomos para os eventos que produzem ondas que se propagam na superfície de estrelas).

Dos 461 planetas extrassolares encontrados até a metade do ano de 2010, 16 deles devem sua descoberta ao trabalho de pesquisadores do consórcio formado por franceses, alemães, austríacos, belgas e brasileiros.  No Brasil, as instituições que participam do consórcio são: o Instituto Astronômico e Geofísico da USP, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Laboratório Nacional de Astrofísica, o Observatório Nacional, a Universidade Estadual Paulista, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a Universidade Federal de Santa Catarina, a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Mackenzie de São Paulo.

Os pesquisadores brasileiros participaram ativamente no desenvolvimento dos programas de controle e de análise dos dados obtidos, além da seleção dos objetos-alvo para os estudos.

O primeiro planeta extrassolar encontrado pelo COROT está orbitando uma estrela de magnitude 13,6, na constelação de Monoceros, distante do Sol 1.560 anos-luz, com uma massa estimada de 1,3 massa de Júpiter e com um período orbital de mísero 1,51 dia terrestre!

Esperamos que novas descobertas sejam feitas em breve e, para aqueles que prestaram atenção no início do texto e atentaram para o período de funcionamento do satélite de 2,5 anos, gostaria de esclarecer mais um pequeno item: as estimativas do tempo de vida dos satélites baseiam-se, principalmente, na quantidade de combustível que é usado para fazer as correções em suas órbitas devidas às interações gravitacionais e magnéticas com o nosso planeta.

Os satélites posicionados em grandes órbitas e os geoestacionários geralmente utilizam uma quantidade de combustível maior porque precisam estar melhor posicionados e com as antenas perfeitamente apontadas para uma região do planeta.

No caso do COROT, como está em uma órbita polar baixa e possui dois centros de recepção de dados, sendo um deles no Maranhão, a Estação de Satélites Científicos, na base de Alcântara., o direcionamento das antenas e a manutenção da altura da órbita não são tão críticos, o que possibilita e possibilitará ainda por mais tempo a utilização deste satélite tão importante para a Astronomia.