Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

No céu, com estrelas e diamantes

 

Todos os elementos químicos são produzidos no interior das estrelas. Os mais pesados provêm de estrelas mais antigas, que se tornaram supernovas. Estes elementos contaminam o espaço interestelar e acabam por entrar na confecção de outras estrelas mais jovens. Entre os elementos encontrados em estrelas de segunda ou terceira geração está o carbono. Este elemento vital para a nossa forma de vida tem algumas características interessantes. Dependendo de como os átomos se arranjam, podemos ter uma substância macia como o grafite ou duríssima como o diamante.

 

Em 1960, previu-se teoricamente que existissem estrelas com núcleos cristalizados de carbono. Em 1992, o astrônomo brasileiro Kepler de Oliveira (do Departamento de Astronomia do Instituto de Física da UFRGS) calculou a densidade e a composição química da estrela anã branca, denominada BPM37093, a partir de sua variação luminosa. Na época chegou-se à conclusão de que ela era feita de um cristal de carbono contaminado de oxigênio. Quimicamente falando, isso é um diamante. Um diamante muito grande mesmo.

 

Em 2004, astrônomos do Centro de Astrofísica do Harvard-Smithsonian e um brasileiro, Antonio Kanaan, confirmaram ainda mais os cálculos de Kepler usando técnicas de astrossismologia. Estes estudos confirmaram o seu diâmetro em 1,5 quilômetro. Esta estrela fica a 50 anos-luz da Terra e se encontra na constelação de Centauro. Nesta época, sugeriu-se chamar a estrela de Lucy como referência à canção dos Beatles: Lucy in the sky with diamonds.

 

Recentemente, uma equipe da Universidade de Winconsin-Milwaukee publicou um artigo no Astrophysical Journal sobre outra estrela-diamante a 900 anos-luz na constelação de Aquário. Quem diria? O céu está cheio de diamantes!

 

Links de interesse:

http://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/um-diamante-com-quilate-do-sol-1-12982147

http://en.wikipedia.org/wiki/BPM_37093

http://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/ult272u28888.shtml

http://www.tecmundo.com.br/astronomia/15461-diamante-maior-que-a-terra-e-descoberto-no-espaco.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Lucy_in_the_Sky_with_Diamonds