Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Memorial no Espaço

Por Naelton Mendes de Araujo – Astrônomo da Fundação Planetário

A uma distância de uns 36.000km acima do nível do mar, em uma órbita no mesmo plano do equador terrestre, um satélite giraria com a mesma velocidade da rotação da Terra. Nesta posição o veiculo espacial pareceria pairar sobre a mesma posição geográfica. Essa órbita recebeu o nome de Anel de Clarke, em homenagem ao escritor de ficção científica Arthur C. Clarke (1917-2008). Ele era também técnico em telecomunicação e previu a utilidade desta trajetória espacial na revista Wireless World em 1945, doze anos antes do lançamento do primeiro satélite artificial. Este anel é povoado por centenas de satélites de telecomunicação e meteorológicos em posições que valem muito nos dias de hoje. Quando um satélite destes termina sua vida útil os operadores reservam uma quantidade de combustível para a sua última manobra. Os motores levam então o veículo, agora “aposentado”, para seu destino final liberando uma vaga preciosa.

A chamada “órbita cemitério”, para onde vão os satélites geoestacionários fora de operação, fica a uns 300km acima do Anel de Clarke. Um objeto colocado ali não cai novamente na Terra. Nesta distância as perturbações gravitacionais e a pressão da radiação não são capazes de diminuir o tamanho da órbita. Ele pode ficar girando ali por milênios. Um disco como o da Voyager pode durar indefinidamente se for protegido contra a radiação solar. O artista americano (veja o artigo: Coleção de fotos e ilustrações será lançada ao espaço a bordo de satélite) escolheu um lugar bem apropriado para preservar suas mensagens para o futuro: um memorial no espaço numa órbita cemitério.