Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Lixo espacial alcança ‘ponto crítico’, advertem cientistas

 

Comentário de Luis Guilherme Haun, astrônomo da Fundação Planetário, sobre “Lixo espacial alcança ponto crítico”

Lixo sempre foi e será um grande problema, tanto na Terra quanto no espaço. Na Terra este lixo entope os bueiros, se desloca para os rios e provoca grandes enchentes nas cidades, além de poluir a água potável, que já não é tão abundante. A questão por aqui passa pela educação.

No espaço, o problema do lixo é um pouco diferente e vem se agravando cada vez mais. Desde o primeiro satélite lançado, o Sputnik, em 1957, o homem já colocou em órbita da Terra centenas de objetos de grande importância. São satélites de comunicação, de previsão do tempo etc. Até aí tudo bem: eles nos ajudam muito. Mas e o que dizer das peças que porventura se perdem em missões espaciais? E aqueles que foram destruídos por uma colisão ou saíram de órbita e hoje estão desgovernados? Este é o lixo espacial.

E as coisas só tendem a piorar, pois os países que detêm o poder no espaço, na grande maioria, estão passando por uma crise financeira (talvez a esperança esteja na China, mas será que eles estão no caminho certo?). Isso pode comprometer a solução do problema. Mas a questão é urgente, colocando em risco novas viagens espaciais, tripuladas ou não. O risco de uma colisão é iminente, tantos são os pedaços espalhados ao redor da Terra. E um pequeno parafuso em órbita da Terra, por exemplo, tem um poder de destruição muito grande, pois está a uma grande velocidade.

Torna-se necessária uma união de diversas nações para sanar a questão, mudando, se necessário, a legislação que trata dos direitos espaciais em prol de um bem maior. Projetos existem, não são baratos, é verdade, mas devem ser levados adiante o quanto antes, para evitar que paguemos um preço alto demais!