Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Galáxias escuras e o início do Universo

Esta semana foi divulgada uma notícia que permitiu aos cientistas dar um grande passo para conhecermos como o Universo se formou. Até agora acreditava-se que as primeiras galáxias se formaram de objetos que possuíam, principalmente gás, e bem pequenos: as galáxias escuras. Mas nunca se observou uma sequer para provar esta teoria.

Quero dizer, até agora não havia uma prova. O Very Large Telescope do ESO (Observatório Europeu do Hemisfério Sul), um dos mais modernos telescópios da aualidade, observou 12 galáxias escuras próximas ao quasar HE 0109-3518. (Quasares são os objetos mais distantes, e portanto os mais antigos, do Universo. São muito brilhantes e possuem um buraco negro gigantesco no seu interior.)

Essas galáxias escuras têm pouca massa – cerca de um bilhão de massas do Sol – e são pequenas. Por possuirem apenas gás e não estrelas, brilham muito pouco. Mas como observá-las se estão estão tão distantes e quase não brilham?

A solução encontrada foi iluminá-las com radiação ultravioleta. Quando, em uma festa ou em uma boate, existe iluminação por uma luz ultravioleta a roupa branca se destaca. Os astrônomos fizeram uma técnica semelhante a esta. Utilizaram a luz ultravioleta do quasar para ilumiar as possíveis galáxias escuras que por ventura estivessem próximas dele. E eis que elas surgiram (ver foto em http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/1119406-astronomos-detectam-galaxias-escuras.shtml).

Segundo os estudos as galáxias escuras forneceram matéria para que as galáxias atuais pudessem dar origem às estrelas. Elas se misturaram a galáxias maiores e forneceram o gás necessário para posteriores formações de estrelas.

Mais uma peça foi colocada neste quebra-cabeça que é o nosso maravilhoso e enigmático Universo!