Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Em posição! Um, dois, três, quatro….

 

Quantas estrelas uma pessoa conseguiria contar em um minuto? Com uma certa velocidade e dedicação, provavelmente, umas 120. Claro que depois de um certo tempo (bem curto, acredito!) qualquer “contador de estrelas” iria ficar irritado e parar. Então, como sabemos quantas estrelas existem?

Em uma galáxia podemos utilizar a força gravitacional que a sua massa exerce sobre as galáxias satélites ou próximas e estimar estatisticamente o  número de estrelas através de uma distribuição de massas observadas. Mas, e se quisermos contar individualmente? Será que é possível fazer isto?

A resposta é fácil, sim! É claro que ninguém ficará contando uma por uma as estrelas. Com a tecnologia atual é inimaginável alguém ficar do anoitecer até o amanhecer contando estrelas e marcando a sua posição como feito por Hiparcos, um grande astrônomo grego, cerca de 150 anos antes de Cristo.

Atualmente, com os computadores, telescópios, câmeras imageadoras, programas de identificação de objetos e satélites espaciais, nosso problemas ficaram menores. Podemos utilizar estes aparelhos para cumprir esta missão e não nos cansarmos. Eles fazem tudo automaticamente, claro que existe um certo custo nisto.

O mais moderno equipamento para o obtenção da posição dos astros tem o nome de Gaia. Este é um observatório espacial que foi lançado no dia 19 de dezembro de 2013 e encontra-se atualmente orbitando uma região denominada L2, ou ponto de Lagrange 2. O L2 fica a cerca de 1,5 milhões de quilômetros da Terra e sua importância vem do fato que a ação da força gravitacional da Terra e do Sol, neste ponto, se equilibram.

A partir deste ponto, cerca de um bilhão de estrelas serão observadas pelos equipamentos do satélite espacial Gaia e nos fornecerá informações de suas posições e movimentos próprios. Este número enorme de estrelas é menor que 1% da quantidade de estrelas da nossa Galáxia. O leitor poderá perguntar: Por que parar em apenas 1% da Via Láctea? A resposta é: existem limitações visuais. Assim como o nosso olho pode observar até 6.000 estrelas sem equipamentos, número aproximado de estrelas até a magnitude 6, o telescópio espacial poderá observar, confiavelmente, até a magnitude 14 (quanto maior a magnitude, menor o brilho), limitando o número até o apresentado acima.

Para fazer isto, o telescópio espacial Gaia irá fazer uma rotação em torno do seu próprio eixo em um período de seis horas e utilizará a câmera espacial atualmente em utilização. Como uma pequena comparação, uma câmera de celular possui algum em torno de oito milhões de pixels, já a Gaia tem uma câmera com quase um bilhão de pixels. Apenas como ilustração, os equipamentos são capazes de observar um fio de cabelo a uma distância de 2.000 quilômetros.

Além de medir as posições, Gaia irá nos fornecer dados como luminosidade, temperatura e composição química dos objetos. Estas informações nos permitirão construir um mapa tridimensional muito preciso, pois as posições das estrelas são medidas com uma acurácia incrível, e tentar esclarecer dúvidas sobre a composição e a história do desenvolvimento de nossa galáxia.

Como o Gaia já encontra-se em posição, esperamos para breve um número enorme de dados que chegarão e darão trabalho para astrônomos do mundo todo por muito tempo.