Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Dia de Reis

Dias santos, por se tratarem de uma questão de fé, são sempre envoltos em certo mistério. Misturando partes de história e lenda, suas origens são, por definição, imprecisas e, na maioria das vezes, mutáveis.

Por que o dia 6 de janeiro é chamado “Dia de Reis”?

Parece não haver dúvida que essa celebração tem origem no batismo de Cristo, que teria acontecido, em nosso calendário atual, no dia 6 de janeiro. Mas os primeiros historiadores cristãos, que nos forneceram essa data, reconheciam o dia 20 de maio como o do nascimento de Cristo. Se não os respeitamos em relação à data do nascimento, por que sobreviveu até hoje uma celebração no dia 6 de janeiro?

As igrejas cristãs do oriente celebravam neste dia o nascimento de Cristo; as igrejas cristãs ocidentais fixaram tal evento no dia 25 de dezembro. Essa proximidade entre as datas acabou dando origem ao período de celebração conhecido como “Tempo da Epifânia”, ou “doze dias de Natal”. Atualmente, o dia 6 de janeiro é considerado pela Igreja Católica como o início da Epifânia, e recebe popularmente o nome de “Dia de Reis” em grande parte dos países da América Latina.

Os “reis” em questão são os reis magos, que não eram reis nem tampouco magos. Eram homens sábios, conhecedores de ciência e de magia (ciência e magia freqüentemente eram sinônimos naqueles tempos remotos). Não se sabe ao certo quantos eram os “reis”, mas como o Evangelho de Mateus cita três presentes ofertados, a idéia de que eram três visitantes se disseminou. Não há referências a seus nomes na Bíblia. Posteriormente, surgiram os nomes Baltazar, Gaspar e Melquior. Além de ganharem nomes a posteriori, ganharam também um senso de universalidade, com Baltazar sendo representado em peças artísticas como um mouro e Gaspar com traços orientais. Independentemente dos nomes e da quantidade, historiadores concordam que os “reis magos” (ou melhor, homens sábios) eram astrólogos persas.
Historiadores da Bíblia argumentam que os homens sábios do Oriente não devem ter visitado Cristo antes de seu 40 o dia de vida. Mas reunindo as diferentes celebrações das distintas vertentes cristãs pelo mundo, as pessoas começaram a celebrar o dia 6 de janeiro como o dia da visita dos “reis magos”. Esta tradição se fortaleceu em grande parte dos países latino-americanos e desde então o dia 6 de janeiro é reconhecido popularmente como o Dia de Reis.

Fontes:
Wikipedia (http://en.wikipedia.org)
Catholic Encyclopedia (http://www.newadvent.org/cathen/)