Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Cometa McNaught (C/2006 P1)

O cometa descoberto em agosto de 2006 pelo astrônomo australiano Robert H. McNaught fez um grande espetáculo no hemisfério norte, e agora começa a se mostrar para nós aqui do hemisfério sul.  Prever o brilho de um cometa ainda é temerário, e este surpreendeu com seu aumento de brilho logo que se aproximou do Sol, quando foi possível vê-lo em plena luz do dia.

A melhor maneira de ver o McNaught nos próximos dias (até 18/01 aproximadamente) será próximo ao poente (19h47min, horário de verão), logo assim que o Sol se põe, como um ponto luminoso seguido de uma cauda em “V”, com comprimento equivalente a duas Luas cheias. À medida que os dias passam, ele se afasta do Sol e seu brilho diminui, pondo-se lentamente mais tarde a cada dia.  Este astro se mostrará à noite em pouco mais de uma semana, porém estará cada vez menos brilhante deixando de ser visível a olho nu antes de terminar a primeira semana de fevereiro (se seu brilho continuar a se comportar como o previsto).

O observador deve ficar atento, pois o comportamento deste cometa faz com que de uma noite para outra possa haver uma variação de brilho considerável.  Provavelmente, as melhores noites de observação serão poucas; toda oportunidade será preciosa.  No final da próxima semana, será necessário um binóculo ou pequeno telescópio, além de uma carta celeste, para distinguir o McNaught entre as estrelas.