Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

China: a nova potência espacial

Ontem, 2 de novembro de 2011, a China deu um grande passo para se consolidar como uma das potências espaciais. As naves Tiangong 1 e Shenzhou 8, no espaço desde 29 de setembro e 31 de outubro, respectivamente, fizeram um acoplamento, totalmente controlado da Terra. Essas naves não são tripuladas, pelo menos por enquanto.

Shenzhou, que em mandarim significa barco divino, e Tiangong, palácio celestial, ficarão duas semanas juntas e depois serão separadas. Porém, alguns dias depois elas voltarão a se acoplar. Esse segundo encontro dará uma segurança maior para as pretensões chinesas. Mas Tiangong 1 ainda servirá para novos experimentos de acoplagem com outras naves da série Shenzhou no futuro.

A China vem desenvolvendo sua tecnologia espacial para, em 2020, ter a sua primeira estação espacial. Este não é o seu objetivo final, mas sim o início de era de conquista espacial que possivelmente passará pela conquista da Lua por taikonautas (aasim se chamam os astronautas chineses).

Hoje estamos vendo a China conquistar o mercado mundial com seus produtos e, num futuro próximo, ela estará também conquistando o espaço. Torcemos para que ela traga boas novas para a Astronomia!