Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Bambolê Estelar

 

Gravidade. Esta força primordial é responsável por quase tudo o que vemos em grande escala no Universo. Formações de estrelas, galáxias, buracos negros… Todos os corpos sofrem a sua ação.

 

Esta semana, a Agência Espacial Norte-Americana publicou uma notícia que mostra mais um efeito gravitacional interessante, a formação de um sistema triplo de estrelas em que duas estrelas são circundadas por um gigantesco disco de gás e poeira.

 

O mais interessante é que o plano em que as estrelas giram em torno de si não é o mesmo do plano do disco de gás e poeira, fazendo com que o brilho do sistema varie periodicamente (cerca de 93 dias). Imagina-se que a configuração do sistema se deva à presença de uma terceira estrela, que orbita na periferia dele, agindo gravitacionalmente, moldando-o.

 

Observado no infravermelho pelo telescópio espacial Spitzer, e por outros telescópios baseados na Terra, o grupo de estrelas foi denominado YLW 16A. É o quarto sistema estelar que apresenta este comportamento, sendo o segundo na região de Rho Ophiucus. De acordo com Peter Plavchan, o cientista responsável pela pesquisa, a variabilidade no brilho comprova a presença das duas estrelas envoltas por um disco de gás e poeira que pode dar origem a planetas.

 

Talvez estejamos vendo a formação de um planeta semelhante ao planeta Tatooine, lar da família Skywalker, dos filmes “Blockbusters” Guerra nas Estrelas, onde temos dois nasceres e pores das estrelas às quais o planeta circunda. No sistema estelar do filme temos uma estrela amarela e outra mais fria, vermelha. Esperemos que o Darth Vader não venha até a Terra.

 

 

Acompanhe as novidades e notícias da Astronomia nas redes sociais. Curta a fan page do Planetário no Facebook e siga o perfil no Twitter.