Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Avalanches numa lua distante

“Cientistas observam deslizamentos gigantes em lua de Saturno”. Comportamento do terreno em “Iapetus” ajuda no estudo de movimentos semelhantes na Terra.

Ao ver a notícia acima muitos podem associar aos deslizamentos de terra na região serrana do Rio de Janeiro comuns em época de chuvas intensas. Quando falamos em deslizamentos de terreno numa lua de Saturno não é nada semelhante aos equivalentes aqui na Terra.

Jápeto é uma lua bem curiosa: tem um lado brilhante e outro escuro. Esta lua é bem menor que a Terra: seu raio mal chega a um décimo do raio terrestre e sua massa não chega um milésimo da massa da Terra.  Jápeto não tem atmosfera e sua distância extrema ao Sol faz com que sua temperatura seja muito baixa: média de -163 graus Celsius. Isto torna a superfície de Jápeto coberta de gelo de água misturado a metano e amônia.

Assim sendo, os deslizamentos são mais parecidos com as avalanches de neve do que um desabamento de encosta. Lembrando que isso acontece numa gravidade muito menor: lá você pesaria apenas 2% do que pesa na Terra. Além do mais não há resistência atmosférica. Por isso não é de se estranhar que esses deslizamentos fossem tão diferentes do que os que acontecem em nosso planeta. Mesmo levando em conta todos estes fatores os deslizamentos de Jápeto são maiores e mais abundantes do que o esperado em teste de laboratório. Parece que algo diminui o atrito entre o gelo e as rochas. O relevo particular e uma temperatura maior do que a prevista pode ter participação no fenômeno.

A exploração do Sistema Solar ainda guarda, com certeza, muitas questões desafiantes. Outros mundos, outros fenômenos e muito para aprender.