Al-Sufi e a “descoberta” da Galáxia de Andrômeda

Abu Hussain Abd al-Rahman ibn Omar al-Sufi (903-986), mais conhecido por Al-Sufi, é considerado um dos mais importantes astrônomos da Idade Média. De origem Persa, realizou observações astronômicas em sua terra natal e em Bagdá, então capital do império muçulmano. Mas onde entra uma galáxia nesta história?

A galáxia de Andrômeda é uma das mais belas que conhecemos. Está localizada a cerca de 2,5 milhões de anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação de Andrômeda. O número até pode ser gigantesco, mas, em termos astronômicos, esta galáxia está próxima da Terra, o que a torna um objeto relativamente brilhante no céu.

Galáxia de Andrômeda
Galáxia de Andrômeda. Crédito: André van der Hoeven.

De fato, é uma das três únicas galáxias que podem ser vistas da Terra a olho nu. As outras duas são a Grande e a Pequena Nuvem de Magalhães.

Justamente por causa do brilho, estas galáxias foram registradas bem antes do surgimento do telescópio.

Pois é, muita gente pensa que só foi possível observar galáxias e planetas após a invenção do telescópio, no século 17. No entanto, muito antes disso, na Grécia Antiga,
e, posteriormente, na Idade Média, os astrônomos faziam observações dos astros utilizando outros instrumentos (quadrante, astrolábio, sextante, etc). Estes instrumentos foram usados basicamente para medir as posições dos planetas e das estrelas.

No século 10, Al-Sufi  fez uso intenso destes instrumentos, com a finalidade de produzir a primeira revisão crítica do mais importante catálogo estelar até então produzido: o “Almagesto”, confeccionado pelo astrônomo Egípcio Ptolomeu, no século 2. 

O resultado mais importante do esforço de Al-Sufi foi “O Livro das Estrelas Fixas”. Com este livro, o Persa tornou-se o primeiro astrônomo a descrever uma “nebulosidade” na constelação de Andrômeda, que conhecemos atualmente como a bela Galáxia de Andrômeda.

No livro, a constelação de Andrômeda é apresentada como a princesa acorrentada, conforme a descrição original grega. No entanto, para o espanto de muitos, superposta a ela, vemos o “Grande Peixe”, uma constelação Árabe que não consta na obra grega. O astrônomo Persa descreve uma “pequena nuvem” próxima a boca do Grande Peixe. O desenho identifica a nebulosidade com uma pequena aglomeração de pontos (marcada com uma seta na figura abaixo).

Cópia mais antiga existente do livro de Al-Sufi, datada de 1009 (Oxford, Bodleian Library MS. Marsh 144, pag. 167)
Cópia mais antiga existente do livro de Al-Sufi, datada de 1009 (Oxford, Bodleian Library MS. Marsh 144, pag. 167)

Esta pequena aglomeração de pontos é a Galáxia de Andrômeda, e tem enorme importância histórica: este desenho é a primeira imagem de uma galáxia.

Al-Sufi preparou diversas cartas celestes a partir de suas próprias observações e cuidadosamente atualizou valores de magnitudes estelares atribuídas erroneamente por Ptolomeu. Seu livro foi um primor da astronomia estelar.

Tendo sido escrito originalmente em Árabe, “O Livro das Estrelas Fixas”  foi referência na Astronomia por muito tempo, influenciando decisivamente a maneira como as cartas
celestes viriam a ser confeccionadas nos séculos seguintes. Sobre isso falaremos  em outro momento.

Até a próxima!

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *