Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Vida Secreta das Estrelas

 

Como funciona uma estrela? Ou, uma pergunta anterior a essa, o que são as estrelas?

Estrelas são grandes bolas de plasma. O plasma pode ser considerado o quarto estado da matéria. Todo mundo conhece da escola os três estados da matéria (sólido, líquido e gasoso). Mas pouca gente sabe que são cinco, na verdade. Quando aquecemos um sólido, ele derrete e vira líquido. Se continuarmos aquecendo este material, o líquido evapora e vira gás. Se a temperatura continuar subindo, as moléculas do gás vão desorganizar, o material vai se ionizar e teremos um plasma. É disso que as estrelas são feitas.

O núcleo da estrela é muito denso e compacto; suas camadas externas são etéreas, diáfanas. A grande quantidade de matéria que compõe uma estrela é mantida coesa devido à força da gravidade. Esta força quer, em última análise, que tudo fique concentrado no centro do objeto. Mas à medida que essa concentração é provocada pela gravidade, as regiões mais internas vão sendo espremidas cada vez mais. Isso aumenta a pressão e, por tabela, a temperatura. Passado um determinado limite, o núcleo da estrela fica tão quente que passa a fazer a fusão do hidrogênio. Isto gera uma quantidade absurda de energia. E a tendência é o material explodir pra todos os lados!

A vida da estrela é um grande cabo-de-guerra. A gravidade quer jogar tudo pra dentro; as explosões nucleares internas querem jogar tudo pra fora. Enquanto estas forças estiverem em equilíbrio, a estrela não sofrerá nenhuma mudança brusca em seu estágio evolutivo.

Mas a fusão nuclear consome a matéria da estrela. Eventualmente, o combustível que alimenta esse processo acaba. Quando cessa a força que aponta pra fora, sobre somente a gravidade, que aponta pra dentro. A estrela começa a desabar sobre si mesma, em um colapso que a levará ao seu próximo estágio de evolução. Quanto maior a massa da estrela, maior o colapso e mais intensas são as transformações (e mais rápidas também). Estrelas de muita massa vivem pouco.

E como as estrelas nascem? Nascem a partir de grandes nuvens de gás, ricas em hidrogênio. Genericamente conhecidas como “nebulosas de formação”, algumas delas ganharam o apelido carinhoso de “piscinas”. São verdadeiros reservatórios de combustível estelar. Uma dessas piscinas gigantescas acaba de ser descoberta em nossa galáxia!