Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Terra é única no espaço?

 

Até poucos anos atrás, a Terra era o único lugar do espaço que conhecíamos onde a vida se manifestou e se tronou avançada. Mas, na visão de muitos cientistas, aqui não deveria ser um lugar exclusivo para vida inteligente. Muitos recursos foram lançados para procurar vida em Marte e até fora do Sistema Solar, na busca de planetas ao redor de outras estrelas que não o Sol.

 

O telescópio espacial Kepler, lançado em 2009, está vasculhando mais de 1.000 estrelas próximas à procura de exoplanetas (ou planetas extrassolares). Ele já encontrou, de forma indireta – através da passagem do planeta na frente da estrela (trânsito) –, cerca de 3.000 exoplanetas e, destes, 238 já foram confirmados. Com a sua observação e a ajuda de outras técnicas pode-se também determinar o tamanho, a massa destes planetas, além da sua distância à estrela.

 

Em uma reunião da Sociedade Astronômica Americana, agora em janeiro, os cientistas informaram que a grande maioria destes planetas é formada de rocha ou gás, maiores que a Terra, mas menores que Netuno. Um banho de água fria nos mais crentes de que não estamos sós no Universo. Isso reduz muito a possibilidade de encontrarmos seres parecidos conosco, pelo menos tendo uma tecnologia semelhante à nossa. A Terra está se mostrando uma “ovelha negra” em um rebanho de bilhões de planetas que possivelmente habitam a Via Láctea.

 

Nos estudos do Kepler, e de outras pesquisas com os exoplanetas, concluiu-se que existe um padrão claro: planetas com até duas vezes o tamanho da Terra são densos e provavelmente rochosos – parecidos com a Terra. Os que têm entre duas e quatro vezes o tamanho da Terra são gasosos. Isso corresponde a três quartos de todos os exoplanetas descobertos até o momento. Já tínhamos o conhecimento de que planetas muito grandes devem ser gasosos, como Netuno, Urano, Saturno e Júpiter. Em planetas gasosos a pressão atmosférica é muito grande dificultando a evolução de seres mais complexos.

 

Apenas um exoplaneta está contrariando essa tendência (o KOI-314c), que é duas vezes maior que a Terra e tem a mesma massa que ela. Ele deve ter um núcleo rochoso e uma grande quantidade de atmosfera. Outro fator contribui para desacreditar que a vida possa surgir por lá: o ano deste planeta dura apenas 23 dias, pois ele está muito próximo à estrela. É estranho ele ter sobrevivido nesta região.

 

Em resumo, com os dados que dispomos atualmente, poucos são os mundos rochosos, semelhantes à Terra, limitando o número de civilizações avançadas possíveis na nossa galáxia. Então, um Viva à Terra!