Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Voyager 1 e a “fronteira final”?

Um dos maiores sonhos do homem é a conquista do espaço. Até agora só enviamos astronautas para o nosso satélite natural, a Lua (aliás, no dia 20 de julho comemoramos 45 anos da chegada do homem na Lua). Mas diversas naves já se aventuraram por outros lugares no nosso Sistema Solar.

A conquista do espaço é recente. Em 1977, foram lançadas as sondas Voyager 1 e 2. Elas tinham a missão de estudar os planetas gigantes – Júpiter, Saturno, Urano e Netuno – e, depois, sair da influência do Sol, no espaço interestelar até chegar em uma estrela distante, o que demorará milhares de anos. Apesar da sua grande velocidade – elas percorrem uma distância de mais de três unidades astronômicas por ano (ou seja, mais de 450.000.000km/ano) –, só agora a Voyager 1 parece estar deixando nosso sistema planetário, após 37 anos de uma longa jornada. Enquanto escrevo este artigo a Voyager 1 está a mais de 19 bilhões de quilômetros da Terra.

Mas como saber o limite do Sistema Solar? Não é uma questão simples. O que se concluiu agora é que a Voyager 1 parece ter rompido a heliosfera, uma região dominada pelo vento solar, e está recebendo, desde o ano de 2012, uma grande quantidade de ondas de choque de explosões solares. Isso está sendo detectado pelos sensores da nave um ano depois do ocorrido. Parece que o Sol está cantando (ouça o som).

Nos espaços entre as estrelas (interestelar) deveria ser uma calmaria, pois quase não existe matéria nessas regiões. Mas as explosões solares invadem essas regiões e provocam as mudanças detectadas pela Voyager 1. Assim, podemos dizer que a Voyager 1 está na “fronteira final” do Sistema Solar.

 

E o espaço é o limite!