Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Verne e Wells: Visões de Futuro

Dando prosseguimento ao Fevereiro Verniano; o texto abaixo é de autoria de nossa primeira convidada para a coluna, a escritora de fantasia Ana Lúcia Merege, que também é pesquisadora e curadora de Manuscritos da Biblioteca Nacional.

***

Júlio Verne nasceu em 1828, em Nantes (França), e começou a escrever quando estudava Direito em Paris. Seu primeiro conto de ficção científica, “Uma Viagem em Balão”, foi escrito em 1851. A partir daí, Verne não parou mais, pesquisando para dar credibilidade às teorias científicas apresentadas em suas obras.

Em 1863, em parceria com o editor Pierre Hetzel, Júlio Verne começou a escrever uma série de histórias de aventura chamada “Viagens Extraordinárias”. Foram ao todo 54 livros, um dos quais é ambientado no Brasil: “A Jangada”, publicado em 1881, na qual o autor narra uma viagem ao Rio Amazonas a bordo do que descreveu como “um grande trem de madeira”.

Apesar de seu entusiasmo com os avanços da Ciência, Verne estava atento às questões do seu tempo e aos problemas que poderiam surgir para a Terra e para toda a humanidade. Temas como o desejo de liberdade de alguns povos, o colonialismo, o capitalismo e as guerras entre nações aparecem em suas obras. Algumas eram tão pessimistas que foram rejeitadas pelo editor, Pierre Hetzel. Ele chegou a flertar com a distopia, como no conto “O Eterno Adão” (publicado em 1910), em que um historiador descobre que a civilização do século XX foi destruída por abalos geológicos. As indagações surgem até mesmo nos livros onde predomina a aventura: em “20.000 Léguas Submarinas”, o Capitão Nemo se mostra descontente com os rumos tomados pela civilização, da qual escolhe se isolar a bordo do “Nautilus”.

Ao citar Júlio Verne como um dos pais da moderna ficção científica, é quase impossível não mencionar seu contraponto, o inglês H. G. Wells (1866 – 1946). Enquanto, para Verne, era “proibido inventar coisas impossíveis”, Wells contava com a imaginação e se concentrava mais nos personagens e na ética da utilização da ciência. Assim, é considerado o precursor do ramo “soft” da Ficção Científica, enquanto Verne inspirou a facção “hard”, a dos escritores que fornecem explicações científicas apuradas e se atêm àquilo que pode ser explicado pelas leis da matéria.

Apesar dessa discordância, cabe notar que na obra de ambos há essa preocupação por uma sociedade ética: Wells, ao escrever “A Guerra dos Mundos” (1897), inspirara-se no extermínio e opressão sistemáticos do Império Britânico em países, nações e tribos onde se instalara para mostrar o que poderia acontecer com a própria Humanidade, com uma terrível invasão alienígena ocorrendo no coração do próprio Império.

Júlio Verne morreu em 1905, e até hoje é lido e amado por leitores de todo o mundo. Isso porque suas obras têm a principal qualidade que torna um livro imortal: são capazes de fazer sonhar as pessoas que os leem. E os sonhos – como sabemos – não têm idade.

Referências:
ANDERSON, Poul. Ideas for SF Writers. 1998.
TAVARES, Bráulio. O Que é Ficção Científica. 1992.

Ana Lúcia Merege

13/02/2019

Para contatar Ana Lúcia Merege

www.estantemagica.blogspot.com

anamerege@gmail.com