Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Uma nova estrela no céu… ou não!

 

Você já deve ter ouvido falar que as estrelas nascem, vivem e morrem. Assim como os humanos, que passam por uma gestação de nove meses (e só aí botam a boca no mundo), depois vivem e morrem, as estrelas também passam por períodos semelhantes. Seu nascimento demora bastante para os nossos padrões – mas não para elas –, até uns milhões de anos. Elas, então, começam a brilhar e ficam assim por até bilhões de anos. Após o esgotamento de seu “combustível” elas morrem. Mas durante este processo tem a vida das estrelas que pode ser de forma turbulenta.

 

Neste fim de ano fomos brindados com o “aparecimento” de uma estrela. Ela surgiu no céu, visível a olho nu, na constelação do Centauro: a Nova Centauri 2013. O nome “Nova” dá a falsa ideia de que é uma estrela recém-nascida. Esse nome é antigo – vem de antes da invenção dos telescópios, quando ainda não se conhecia muita sobre a natureza das estrelas – e remete ao aparecimento repentino de uma nova estrela visível a olho nu. Estamos falando de um sistema binário (duas estrelas girando ao redor de um centro comum) sendo uma gigante e sua companheira uma anã branca (o resto de uma estrela que já morreu). Essas duas estrelas estão interagindo gravitacionalmente, trocando matéria. A anã branca rouba matéria da gigante, que, ao atingir a superfície dela desencadeia uma reação termonuclear, provocando um aumento estupendo de brilho. Nesses casos as estrelas não são destruídas e podem vir novas explosões de brilho com novas trocas de matéria.

 

Na foto a seguir, obtida no deserto do Atacama, no Chile, no dia 5 de dezembro, podemos identificar a Nova Centauri 2013 próxima de uma estrela bastante conhecida de nós do hemisfério sul: a Beta Centauri. Onde vemos a Nova Centauri 2013 não podíamos ver nenhuma estrela a olho nu até então.

 
 
E como procedemos para observar esta “nova” estrela? A constelação do Centauro pode ser vista de madrugada. No esquema a seguir – às 2h do dia 11/12/2013 – podemos ver as constelações do Centauro (Centaurus) e do Cruzeiro do Sul (Crux), mais acima e deitado. Para quem não conhece bem o céu o Cruzeiro do Sul servirá como um guia para achar a estrela Nova. Seguindo o braço menor da cruz, encontramos as estrelas brilahntes Hadar e Alpha Centauri. E, comparando com a foto anterior podemos identificar o “novo” astro bem próximo de Hadar.
 
 
 
 
Não sabemos quanto tempo ela permanecerá brilhante a ponto de ser vista a olho nu. Estimativas apontam que ela pode ficar mais brilhante ainda nos próximos dias. Então, se você gosta de observar o céu, e passa as noites em claro, vale a pena procurar por mais este belo espetáculo proporcionado pelo céu. Boas observações!