Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Uma Empresa do Espaço

A implementação recente da Alcântara Cyclone Space, uma bi-nacional Brasil-Ucrânia, para fabricar foguetes criada (no papel) em 2006 envolve questões complexas. Esta complexidade econômica e política passa longe dos aspectos científicos e tecnológicos. Do ponto de vista técnico a colaboração na área espacial sempre será uma boa pedida. O mercado de lançamento de satélites está crescendo muito e termos uma empresa brasileira seria muito bom para o país.

Entretanto há todo um histórico que envolve agências brasileiras militares e civis que por anos batalham pelo desenvolvimento de um programa espacial genuinamente brasileiro. Algumas destas instituições consideram a bi-nacional mais um concorrente para o limitado orçamento espacial brasileiro.

Curiosamente, esta história começa pouco antes do acidente trágico com o VLS (Veiculo Lançador de Satélites), protótipo de foguete nacional. Em 22 de agosto de 2003, uma explosão destruiu o foguete e sua plataforma de lançamento no Centro de Lançamento de Alcântara, Maranhão. No mesmo dia havia uma equipe de ucranianos visitando o Brasil visando o lançamento da família de foguetes Cyclone a partir do Brasil.

A Base de Alcântara é o melhor lugar do mundo para este fim devido a sua localização próxima ao Equador e com mar ao leste. Havia a ideia de substituir um dos estágios do VLS por um modelo Cyclone. Agora já se fala em um foguete maior e inteiramente novo: o Cyclone 4. A realização da ideia de colaboração espacial com a Ucrânia foi menos afetada pelo acidente de Alcântara do que pela crise econômica mundial.

Esperemos que uma parceria deste tipo traga a experiência espacial que falta ao Brasil e que a Ucrânia herdou da antiga URSS.  Tomara que isto não inviabilize projetos como o do VLS, tão importante para o desenvolvimento da astronáutica nacional.