Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Um planeta fervendo

 

Os cientistas do MIT (Massachusetts Institute of Technology), nos Estados Unidos, descobriram um planeta que orbita a cada 8h30min ao redor de uma estrela a 700 anos-luz de distância. Isso significa que ele está muito próximo dessa estrela: algo em torno de 1/40 vezes a distância de Mercúrio ao Sol, ou seja, aproximadamente um milhão e meio de quilômetros.

 

O planeta em questão, chamado de Kepler 78b, tem uma temperatura na superfície estimada em 3.000 graus, devido à grande proximidade com a estrela. Portanto, sua superfície deve ser um grande “mar” de rocha derretida (algo como a lava de um vulcão).

 

Seu tamanho é comparável ao da Terra. Mas o que mais animou os cientistas foi que conseguiram “ver” a luz refletida pelo planeta em questão. Na maioria das vezes consegue-se detectar uma pequena diminuição no brilho da luz da estrela quando o planeta passa na sua frente (fenômeno conhecido como trânsito). E, conseguindo identificar a luz refletida pelo planeta, podemos saber a sua composição.

 

Outra conquista importante é que, por estar próximo à estrela, o efeito gravitacional do planeta sobre ela poderá ser medido e, com isso, podemos calcular a massa do planeta. Este poderá ser o primeiro planeta com tamanho comparável com a Terra a ter sua massa definida.

 

Vamos ficar atentos, pois este mesmo grupo já conseguiu observar outro planeta mais próximo ainda de uma estrela. E isso é só o começo, pois a base de dados dos cientistas é de 150.000 estrelas e apenas do telescópio Kepler.