Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Um planeta, dois sóis

 

Meu último comentário aqui neste espaço se referia ao sistema planetário ao redor da estrela Kepler-19 (uma estrela com dois planetas). Agora leio sobre a Kepler-16, um sistema binário ao redor do qual foi descoberto um planeta. Sim, é isso mesmo. Um planeta ao redor de duas estrelas!

Levando-se em conta que a órbita é algo que decorre de um equilíbrio gravitacional, há muitas e muitas possibilidades de um sistema deste se desenvolver. Uma estrela binária, ou melhor, um sistema duplo de estrelas é exatamente isso: duas estrelas que se orbitam entre si, girando ao redor de um centro de massa comum.

Como as estrelas têm, geralmente, massas de grandeza comparável, este centro de massa comum fica fora de qualquer uma delas. Ou seja, ambas as estrelas giram ao redor de um ponto no espaço vazio!

Se por alguma obra do destino conseguíssemos colocar neste ponto de equilíbrio uma massa qualquer — um planeta, por exemplo — ela lá ficaria, em perfeito equilíbrio. Obviamente, tal configuração, de tão improvável, é impossível.

Uma outra solução dinâmica interessante seria se o planeta em questão fizesse uma espécie de figura “8”, com cada estrela ao centro de uma das voltas da figura. Tal solução traria instabilidades gravitacionais ao planeta e sua mais do que provável destruição devido às próprias forças de maré.

A solução estável, observada em Kepler-16, é a mais simples. A órbita do planeta é externa a ambas as estrelas. Isso torna o sistema muito parecido com o sistema Sol-Terra. Só que, ao invés de uma, há duas estrelas. Neste planeta (o Kepler-16b), devido a sua própria rotação, o Sol nasce e se põe. Mas são dois sois, e não apenas um!

Que belo espetáculo isso não deve ser…