Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

“Todos nós somos, de uma maneira ou de outra, filhos de Júlio Verne”

A Ficção-Científica, provando ser um gênero não-convencional desde sua origem, nasceu de uma família igualmente diferente, com dois pais e uma mãe. A mãe foi Mary Shelley, autora de “Frankenstein – Ou o Moderno Prometeu” (1808) e os pais, H. G. Wells (“A Guerra dos Mundos”, 1890) e Júlio Verne (“20.000 Léguas Submarinas”, 1870). Neste 8 de Fevereiro se comemora o aniversário de um de seus pais, o francês Júlio Verne.

Escritor por excelência, Verne foi jornalista, romancista, dramaturgo e poeta – aliás, muito para o desgosto de seu pai, que pretendia que fosse advogado. Quando mudou-se para Paris a fim de prosseguir seus estudos, Verne logo envolveu-se com escritores e atividades literárias, além da oportunidade de pesquisas e conversas com as mentes de seu tempo: não foi com outro que não Alexandre Dumas, pai (“Os Três Mosqueteiros”, 1844), que acabou por discutir a ideia de um projeto literário realmente ambicioso, o da invenção de um gênero literário, ao que se referia como “Romance de Ciência”, onde poderia apresentar os fatos levantados em suas pesquisas junto a uma narrativa.

Com um âmbito educacional e literário por seu editor, as “Histórias Extraordinárias” (1863 a 1905) de Verne, uma coleção de 54 romances (incluindo-se aí suas histórias mais famosas), popularizaram-se tremendamente. A intenção era “delinear todo o conhecimento geográfico, geológico, físico e astronômico juntado pela ciência moderna e recontá-los, em um formato divertido e pitoresco (…) a história do Universo”. Nelas, Verne juntava detalhes científicos e um senso de aventura e deslumbramento que vem se unir facilmente à “literatura de exotismo” de época, para um mercado de leitores ávidos por novidades que aquela época oferecia.

Seus escritos encantaram gerações, com obras que transcendem rótulos literários e se encaixaram naturalmente sob o de “clássicos da literatura”. Populares, provocativos e inspiradores, eram leitura preferida de, por exemplo, ninguém menos que Alberto Santos-Dumont, influência assumida de suas leituras infanto-juvenis. Não foi o único, entre autores, cientistas e aventureiros, que declararam ser também sua influência: Roland Barthes, Julio Cortázar, Jean-Paul Sartre, Yuri Gagarin, Wernher von Braun, Konstantin Tsiolkovski, entre outros.

Entretanto, cabe notar, ao situar Verne nesta paternidade do quer viria a ser a Ficção-Científica, que ele acreditava que sua obra era antes sobre o Destino da Humanidade ser a Beleza, do que a respeito do “efeito especial” da vez: “5 Semanas em um Balão” (1863) era sobre seus interesses em viagens e geografia, e de apresentar ao leitor a beleza do continente africano – e não sobre ser a respeito de alguma forma de um balão dirigível (cujos primeiros projetos surgiram não antes de mais 10 anos). Mas a precisão depois revelada de suas intuições acabou por lhe dar um vulto de “profeta da ciência”, o que, aliás, não gostava: se seus escritos coincidiam, é apenas porque ele pesquisava a fundo sobre o que queria escrever.

Verne sempre apreciara o desenvolvimento científico e a aventura do espírito humano. Em 1905 infelizmente vem a falecer, um ano antes do voo do 14-Bis; não vendo o mais-pesado-que-o-ar de Dumont decolar: o mesmo Dumont que crescera o admirando e de quem, em seus últimos anos, tornara-se admirador.

Fontes:
Wikipedia https://en.wikipedia.org/wiki/Jules_Verne
Asas da Loucura – a extraordinária vida de Santos-Dumont, Paul Hoffman. Ed Objetiva, 2004

 

Por Luiz Felipe Vasques – Designer gráfico por formação e fã de Ficção-Científica desde que se dá por gente. Participa ocasionalmente de antologias do gênero fantástico e co-organizou duas, Super-Heróis (2013) e Monstros Gigantes – Kaiju (2015), ambas pela editora Draco.
Dá pitacos sobre gênero fantástico em seu blog:
http://blogdefc.blogspot.com/